Tudo acerca do óleo de krill

Na altura de seleccionar os suplementos nutricionais, todos nós tentamos usar os produtos mais eficientes disponíveis. Mas em que devemos basear a nossa escolha? Uma opção será perguntar a outras pessoas as suas experiências pessoais.

Isto é comummente chamado de experiência anedótica. Outra fonte de dados pode ser encontrada na literatura científica. Aqui estaremos a confiar que os investigadores estão a realizar uma pesquisa bem orientada e imparcial de forma controlada. Como este tipo de estudos tipicamente envolvem grandes grupos de indivíduos, os resultados podem ser aplicáveis a largos segmentos da população.

Mas existe outra forma de se instruir acerca dos suplementos alimentares, e essa forma e através da informação fornecida pelos próprios fabricantes. A minha sugestão é que sejam examinadas as três fontes de informação. Peça opiniões aos seus colegas, família e amigos. Leia a literatura do produto providenciada pelas empresas de suplementos nutricionais e faça perguntas se tiver duvidas. Finalmente, investigue se a ciência moderna produziu qualquer prova para suportar as afirmações das outras 2 fontes de informação.

O óleo de Krill é um suplemento fonte de antioxidantes poderosos, ácidos gordos ómega-3 e fosfolípidos derivados dos pequenos crustáceos apanhados em grande quantidade nas águas a sul do antárctico. Os defensores do óleo de Krill, afirmam que este é essencialmente uma forma superior de ómega-3. O Krill contém um antioxidante de cor vermelha único, chamado astaxanthin, e são também ricos em fosfolípidos, que ajudam a emulsionar os ácidos gordos e a melhorar a sua absorção e retenção.

Um novo estudo apresentado no “Journal of Nutrition” parece suportar este ponto de vista. Uma pesquisa conduzida num grupo de ratos obesos descobriu que o óleo de Krill provocou uma redução de 42% da gordura (triglicerídeos) acumulação no coração dos ratos do estudo. O óleo de peixe apenas levou a uma declinação marginal dos lípidos no coração de 2%.

Quando os autores do estudo examinaram o fígado desses animais, descobriram uma redução de 60% da gordura no fígado, em oposição a 38% no fígado dos animais alimentados a óleo de peixe. A normalização do conteúdo de gordura do no coração e fígado, indica potenciais benefícios para o sistema cardiovascular e uma melhoria na sensibilidade á insulina, que pode ser comprometida em casos de fígado gordo. Para além disso, os ratos do grupo do óleo de Krill mostraram mudanças positivas associadas a uma redução da “resposta inflamatória”. (1,2)

Um estudo datado de 2008, demonstrou benefícios anti-cancro e cardiovasculares da suplementação de óleo de Krill (KO). Nesses testes, os ratos que foram alimentados com KO mostraram perda de peso e uma descida dos níveis de LDL “o mau” colesterol, colesterol total e triglicerídeos.

Os cientistas também testaram o óleo de Krill num modelo “in-vitro” de cancro do cólon. Os cientistas concluíram que, “O tratamento das células de cancro do cólon com o LO também resultou numa inibição dependente do tempo do crescimento da célula”. (3)

O Óleo de Krill também foi testado em outras condições de saúde. Os resultados dos estudos foram todos positivos e, de uma forma geral, podem ser aplicados ao que sabemos actualmente acerca da doença cardíaca.

  • Em 2007, um artigo foi publicado no “Journal of the American College of Nutrition”. 90 participantes com doença cardíaca e/ou artrites (osteo ou reumatóide) com níveis elevados de CRP (C-reactive protein) receberam óleo de Krill ou placebo por um período de 30 dias. O CRP é uma medida de inflamação no organismo. A partir do 7º dia de tratamento com KO (300 mg dia), houve uma diminuição de 19% dos níveis de CRP. O grupo do placebo exibiu um aumento de 16% do CRP. Pelo dia 30 do tratamento, houve uma redução de 31% do CRP no grupo do óleo de Krill e 32% de aumento no grupo do placebo. Nos pacientes artríticos, houve uma melhoria significativa na dor e nível de rigidez e uma mudança para uma “redução da incapacidade funcional”. (4)
  • Em 2003 um estudo realizado com 70 mulheres com PMS e dismenorréia (menstruação dolorosa), descobriram que as mulheres que tomaram KO por um período total de 90 dias demonstraram uma redução do desconforto, dor e sintomas emocionais relacionados com a PMS. Esta experiência comparou doses semelhantes de KO vs. Óleo de peixe – 2 gramas por dia durante os primeiros 30 dias e depois 2 gramas por dia por 8 dias antes da menstruação e durante os primeiros 2 dias do período menstrual.(5)
Se está a pensar em adquirir um suplemento de ómega-3, o óleo de krill é uma excelente escolha.

Acredita-se que a inflamação crónica é um importante factor contributivo para o desenvolvimento de muitos tipos de cancro e doenças cardiovasculares.

O facto do óleo de Krill aparentemente reduzir os marcadores e sintomas de inflamação e, pode providenciar uma pista para explicar o seu efeito protector cardiovascular. Um estudo realizado em humanos em 2004, é talvez a prova mais evidente que suporta a ligação entre o óleo de Krill e a saúde cardiovascular.

Esse estudo produziu uma profunda mudança positiva nos factores de risco cardiovascular, num grupo de 120 voluntários. A dose inicial de 500 mg por dia reduziu os níveis de açúcar do sangue, LDL, Colesterol total e triglicerídeos, e subiu os níveis de colesterol benéfico HDL dos participantes. Os homens e mulheres que receberam óleo de peixe não tiveram resultados próximos disso sequer. (6)

Existem muitos outros factores importantes a considerar quando se compara o óleo de peixe com o óleo de Krill. Os estudos preliminares de meados dos anos 90 demonstraram que o óleo de Krill aparenta ser seguro. (7) No entanto, alguns produtores e autoridades de saúde avisam que os indivíduos com uma severa alergia ao marisco devem discutir o uso do óleo de Krill com o seu médico antes de o usarem.

É também importante notar que o óleo de peixe tem sido extensivamente estudado nas últimas décadas. Centenas de estudos acerca dos benefícios na saúde dos ómegas 3 contidos nos ácidos gordos encontrados no peixe, foram já publicadas. Menos de 10 estudos acerca do óleo de Krill foram apresentados até hoje em Jornais médicos conceituados.

Quando verifiquei todos os dados sérios que consegui reunir acerca do óleo de Krill, cheguei á seguinte conclusão. O óleo de Krill parece ser um suplemento ómega-3/antioxidante extremamente promissor. Existem evidências substanciais de que o conteúdo de astaxanthin do Krill, contribui de forma significativa para o seu efeito geral. (8,9,10) O astaxanthin é o mesmo caratenóide que dá ao salmão selvagem a sua matiz rosa.

Mas também pode haver algo mais relacionado com o conteúdo de fosfolipidos deste crustáceo. Essa é a única explicação que encontrei que possa responder ao porquê de uma dose mais baixa de óleo de Krill produzir um efeito igual ou maior que doses mais altas de óleo de peixe.

Fica avisado: o Óleo de Krill pode ser bastante caro. A verdadeira questão está no quanto realmente necessita de tomar para poder obter os mesmos benefícios que foram mencionados aqui. Se necessita de uma dose baixa, tal como 500 mg, então pode ser relativamente barato. Mas alguns indivíduos podem necessitar de quantidades maiores (2-3 gramas por dia).

A melhor oferta que encontrei online custa cerca de $20 por 90 (500mg) softgels. Penso que a esse preço, valerá certamente a pena para alguém que possa beneficiar deste suplemento. Também penso que o Óleo de Krill pode ser uma alternativa mais atraente ao óleo de peixe, porque os softgels de Krill são normalmente de tamanho mais pequeno e possuem um aroma menos intenso.

Em relação ao assunto do cheiro e sabor existe uma dica que pode ajudar, trata-se de congelar as softgels e toma-las congeladas. Esta é uma boa técnica para tomas qualquer softgel com um aroma forte.

Actualização: 1 de Março de 2010 – Comentários recentes na internet acerca de supostos “Perigos do Óleo de Krill”, não parecem ser provenientes de fontes confiáveis. Tenho-me mantido atento á literatura científica e não encontrei nenhum novo motivo de preocupação em relação ao Krill.

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Deixe um comentário

Siga-nos por Email
RSS
Instagram