Treino dos músculos inspiratórios melhora a performance nos desportos de resistência

Um estudo da Universidade de Indiana descobriu que o fortalecimento da musculatura inspiratória, através da realização de exercícios respiratórios diariamente durante seis semanas reduziu significativamente a quantidade de oxigénio que esses mesmos músculos respiratórios necessitavam durante o exercício, fazendo assim com que seja disponibilizado mais oxigénio para outros músculos.

Louise Turner, um investigador no Departamento de Cinesiologia, afirmou que o simples acto de respirar durante uma actividade de resistência, como corrida, natação ou ciclismo realizados a intensidade máxima, pode representar de 10 a 15 por cento do consumo total de oxigénio de um atleta de resistência.

Foi demonstrado que o treino muscular inspiratório (TMI) melhora o desempenho em desportos de resistência, e este estudo de Turner procurou entender melhor os mecanismos através dos quais o IMT faz isso.

Louise afirmou:

Este estudo ajuda a fornecer uma visão mais aprofundada acerca dos possíveis mecanismos responsáveis ​​para a melhoria do desempenho de todo o corpo em desportos de resistência após a aplicação do método IMT.

Em relação ao estudo:

  • O estudo duplo cego, com controlo de placebo envolveu 16 ciclistas do sexo masculino com idades 18-40.
  • O  IMT envolve o uso de um dispositivo portátil que fornece a resistência à medida que se inala através dele, exigindo uma maior utilização dos músculos inspiratórios. Para metade dos participantes do estudo, o dispositivo IMT foi definido para um nível que proporcionou resistência até que os sujeitos respiravam de forma rápida e forte. Durante seis semanas eles realizaram 30 respirações a esse nível duas vezes ao dia. Os ciclistas do grupo de controlo fizeram os mesmos exercícios com o IMT ajustado para um nível mínimo.
  • Após seis semanas, quando os participantes do estudo imitaram a respiração necessária para actividades de intensidade baixa, moderada e máxima, os músculos inspiratórios necessitaram de cerca de 1 por cento menos oxigénio durante o exercício de baixa intensidade e necessitaram de 3 a 4 por cento menos durante o exercício de alta intensidade.

Os músculos precisam de oxigénio para produzir energia. A investigação de Turner também está a analisar o próximo componente dessa equação, se há realmente mais oxigénio disponível para outros músculos, em particular para os das pernas, porque os músculos respiratórios usam menos oxigénio.

A IMT tem sido utilizada como uma intervenção em certas doenças e condições pulmonares e condições, tais como asma, DPOC e fibrose cística, e também é comercializado como um meio para melhorar o desempenho atlético em ciclistas, corredores e nadadores.

Turner apresentou o seu estudo, “Inspiratory Muscle Training reduces the Oxygen Cost of Breathing during Exercise”, a 03 de Junho na reunião anual do “American College of Sports Medicine”. Os co-autores são Timothy D. Mickleborough, Joel M. Stager e Robert F. Carvalho da Universidade de Indiana, e Sandy Tecklenburg-Lund, Nebraska Wesleyan University.

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.