Terapia de calor aumenta a força e a massa muscular

Ao longo dos últimos anos, temos vindo a publicar artigos que descrevem técnicas pouco convencionais para promover o aumento da força e sobretudo a hipertrofia muscular.

Como exemplo, temos o método de treino Kaatsu, hipoxia, acupunctura, exercícios de alongamento, técnicas de visualização e ainda outros métodos “estranhos” que poderão promover um aumento da força e da massa muscular.

No entanto, este é sem dúvida alguma um dos métodos mais estranhos que vimos até hoje. Trata-se de uma forma de estimular a hipertrofia, sem realizar qualquer tipo de exercício resistido, apenas com a aplicação de uma terapia de calor.

O objetivo da equipa de investigadores japoneses que realizou este estudo era testar o efeito, a longo prazo, que o aumento da temperatura tem no músculo esquelético do ser humano, sem a realização de exercício.

Para isso, os investigadores recrutaram 8 homens saudáveis e envolveram cada um dos quadríceps das pernas dos voluntários com uma faixa que gerava calor. O quadríceps da perna oposta serviu como controlo.

A temperatura normal dos quadríceps dos voluntários era de 34.9 C, mas a aplicação da faixa promoveu um aumento da temperatura, até aos 38.3 C. Os voluntários foram expostos a este aumento da temperatura durante 8 horas por dia, 4 dias por semana e durante 10 semanas.

Em termos de resultados, os investigadores japoneses obtiveram resultados bastante interessantes. Em comparação com o quadríceps que serviu de controlo, o quadríceps que foi exposto ao calor obteve:

  • Um aumento de cerca de 5.8% da força isométrica máxima.
  • Um aumento expressivo de 2,7% da circunferência do músculo e de 8,3% da circunferência das fibras musculares do vasto lateral.
  • Um aumento de 6,1% da circunferência do músculo reto femoral.

Todos estes valores foram estatisticamente significativos, ou seja, com uma diferença superior a 5%. Recorde-se também que o músculo quadríceps é composto por 4 músculos (vasto médio, vasto lateral, vasto intermédio e reto femoral).

Os autores deste estudo não sabem explicar muito bem por que motivo é que isso acontece, mas após as 10 semanas de duração do estudo, estes realizaram várias análises genéticas que revelaram um aumento da transcrição de 925 genes e uma diminuição de outros 1300 genes.

Mesmo apesar de terem de terem estudado de forma intensiva os resultados das análises genéticas, para tentarem compreender e explicar os resultados obtidos, os investigadores não conseguiram chegar a nenhum tipo de conclusão final.

O que há neste momento é apenas uma teoria, que é algo deste género: A exposição ao calor poderá fazer com que as proteínas de choque, um tipo de proteína que está presente nas células, transportem uma maior quantidade de receptores de andrógenos para a superfície das células. Isto poderia tornar as células mais sensíveis aos efeitos da testosterona, por exemplo.

Os investigadores concluíram:

Estes resultados sugerem que a aplicação a longo prazo de stress em forma de calor, poderá ser uma forma eficiente de aumentar a força e a hipertrofia sem exercício resistido.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Comentários fechados.