Os suplementos de enzimas aumentam a absorção de proteína?

Atualmente sabemos que a ingestão de uma quantidade de proteína até 3,5 vezes superior à dose diária recomendada (1.5 a 2.8 g/kg/dia) ajuda a reduzir o apetite, a manter um equilíbrio de nitrogénio positivo e consequentemente a manter a massa muscular durante as dietas de restrição calórica (1, 2).

Também pode ajudar a obter uma melhor composição corporal durante as dietas para hipertrofia muscular, também conhecidas como fase de “bulk” (3, 4).

Sabemos também que a ingestão de proteína até 2.8g/kg não é prejudicial para a saúde de indivíduos saudáveis, e não parece interferir de forma negativa no funcionamento dos rins nem do metabolismo ósseo (5).

De forma a conseguirem ingerir essa quantidade mais elevada de proteína, são muitos os que optam por incorporar suplementos de proteína whey, a proteína de mais alto valor biológico, na sua dieta.

Ora uma das principais preocupações dos praticantes de musculação que ingerem grandes quantidades de proteína e de proteína whey, é que o organismo poderá não conseguir absorver a quase totalidade de proteína ingerida, sobretudo quando se passa a ingerir, por exemplo, 30 ou mais gramas de proteína whey por refeição.

Na verdade, alguns suplementos de proteína whey têm uma dose recomendada de 50 gramas por serviço e é perfeitamente normal que nos questionemos se o nosso organismo irá conseguir absorver toda essa quantidade e se a ingestão de um suplemento de enzimas proteolíticas poderá aumentar a quantidade absorvida.

Um dos temas mais polémicos e antigos do mundo da musculação está relacionado com a quantidade de proteína que é possível ingerir por refeição e, na verdade, é perfeitamente possível que exista um limite, pelo menos em relação à proteína whey.

Alías, temos alguns dados que sugerem que a proteína whey passar ao longo do intestino delgado para o intestino grosso em pouco tempo, em cerca de 1 hora e meia (6).

O limite máximo de absorção de proteína whey também parece de apenas 8 a 10 gramas por hora, sendo que a proteína whey excessivamente processada, à escala industrial através de métodos como spray-dryingpressurized microfiltration, poderá interferir de forma negativa na eficiência das enzimas digestivas e reduzir a sua absorção (7, 8).

Os suplementos de enzimas aumentam a absorção de proteína?enzimas, proteínas

Num estudo publicado em Julho de 2008, os investigadores em pretenderam determinar se a ingestão de um suplemento de enzimas proteolíticas (que separam a proteína em peptídeos e aminoácidos), juntamente com um batido de proteína whey, poderia aumentar a quantidade de proteína whey absorvida, aumentar o equilíbrio de nitrogénio e influenciar outras variáveis relacionadas com o metabolismo dos aminoácidos (9).

Os investigadores desse estudo suspeitavam que, após a ingestão de uma dose de 50 gramas, a quantidade de whey absorvida poderia ser de apenas 15 gramas.

Isto poderá ser devido à inibição endógena das enzimas digestivas derivadas do  processamento excessivo da proteína whey e da passagem rápida da proteína whey pelo intestino delgado.

O efeito combinado desses fatores poderá contribuir para uma digestão incompleta, limitando dessa forma o rácio de absorção de proteína antes desta chegar ao intestino grosso e ser eliminada pelas fezes.

Como foi realizado o estudo?

Para a realização do estudo, os investigadores recrutaram dois grupo de jovens do sexo masculino, que seguiram uma dieta específica antes e após a realização de um treino de pernas.

Os voluntários serviram como seu próprio grupo de controlo. No primeiro treino de pernas, cada grupo de controlo ingeriu apenas 50 gramas de proteína whey concentrada (WPC 85% – 42.5g) após um jejum nocturno.

Nove dias mais tarde, cada grupo de teste ingeriu 50 gramas de proteína whey concentrada que também continha 2.5 g ou 5 de enzimas proteolíticas (Aminogen®), após um outro treino de pernas.

Foram recolhidas amostras de sangue para determinar os níveis de aminoácidos no sangue imediatamente após o final do treino, 30 minutos, 1 hora, 2 horas, 3 horas, 3.5 horas e 4 horas após cada treino de pernas . Para além disso também foram recolhidas amostras de urina para 24 horas para análise do equilíbrio de nitrogénio.

O que descobriram?

  • Níveis de aminoácidos mais elevados: Os investigadores verificaram que os níveis de aminoácidos no sangue foram mais significativamente mais elevados após os treinos em que os voluntários ingeriram o suplemento de enzimas proteolíticas.
enzimas proteina
TG = Grupo de teste, que ingeriu enzimas e whey, CG = Grupo de controlo, que ingeriu apenas 50 g de whey.

Todos os níveis de aminoácidos individuais no sangue foram significativamente mais elevados após 4 horas a seguir ao treino naqueles que ingerirem o suplemento Aminogen®, exceto os níveis de glicina, histidina, metionina e serina.

  • Maior equilíbrio de nitrogénio: O equilíbrio de nitrogénio (N2) foi significativamente mais elevado quando os voluntários ingeriram a whey juntamente com o suplemento de enzimas.
excreção nitrogénio
Excreção total de nitrogénio ao longo de 24 horas entre os grupos de teste (TG) e os grupos de controlo (CG).

Após 24 horas, os níveis de N2 excretados quando os voluntários ingeriram 2,5 g e 5 g de enzimas foi de 7,18 g e 7.1g respetivamente. E quando os voluntários ingeriram apenas 25 e 50 g de proteína, a excreção foi de 10,02 g e 11,05 g, respectivamente.

Os investigadores afirmaram:

A adição de Aminogen® proporcionou mais enzimas proteolíticas, possibilitando assim o aumento do rácio de absorção durante o mesmo período de tempo. O seu efeito geral parece ser um aumento significativo do rácio de absorção de proteína whey concentrada.

Esses resultados indicam que a suplementação com Aminogen® poderá contribuir para as condições ótimas para a síntese de proteína e o crescimento. Também sugerem um aumento da utilização da proteína.

E concluíram:

Os resultados deste estudo indicam que a suplementação de 50 g de proteína whey com 50 mg/g ou 100/g de Aminogen®, uma mistura de protéases do Aspergillus niger e Aspergillus oryzae, patenteada para uso como ajuda digestiva, aumentou o rácio de absorção de whey de forma significativa em comparação com o controlo.

Conclusãoproteases, batido proteína

A resposta à pergunta do título deste artigo é um claro sim. A ingestão de um suplemento de enzimas juntamente com um suplemento de proteína whey permite realmente absorver uma maior quantidade de proteína.

Outro aspeto positivo da suplementação com enzimas proteolíticas, que ainda não foi referido, está relacionado com os níveis de Proteína c-reactiva (CRP), cujos níveis aumentam em resposta à inflamação.

Parece que a ingestão de proteína whey juntamente com a mistura de enzimas promoveu uma diminuição significativa dos níveis de CRP ao produzir peptídeos bioactivos in vivo (10).

Tendo em conta os dados deste estudo, pode-se concluir que a adição de enzimas digestivas proteolíticas poderá aumentar a quantidade de proteína absorvida por refeição, sobretudo de proteínas de absorção rápida como a whey  e também poderá proporcionar um aumento da utilização de aminoácidos e um equilíbrio de nitrogénio.

Isto por sua vez poderá permitir um aumento mais expressivo da massa muscular no contexto de uma dieta hipercalórica e uma maior retenção da massa corporal magra durante as dietas hipocalóricas. No entanto é notória a necessidade de serem realizados mais estudos antes de se poder chegar a uma conclusão definitiva nesse sentido.

Este também pode ser o motivo pelo qual várias empresas de suplementos incluem enzimas digestivas nos seus concentrados de proteína, tal como acontece com a 100% Whey Gold Standard da Optimus, que inclui Aminogen® na sua composição, embora a quantidade que inclui em cada dose (25 milligramas) seja manifestamente inferior à utilizada no estudo analisado neste artigo e provavelmente insuficiente para proporcionar os mesmos efeitos..

Recorde-se também que o uso de enzimas digestivas pelos culturistas, para melhorar a absorção de proteína, já acontece desde os tempos de Vince Gironda e do Pumping Iron. Este tipo de suplementos também foi bastante popular nos anos 80 e 90, tendo caído em desuso desde essa época até aos dias de hoje.

Nutricionista (CP: 4100N) no Moreirense Futebol Clube. É licenciado em nutrição pela FCNAUP, e é também doutorando em Ciências do Consumo Alimentar e Nutrição, na mesma faculdade.

Deixe um comentário

Siga-nos por Email
RSS
Instagram