Proteína sim, Demais não

Proteína sim, Demais não


A proteína é um nutriente muito importante e valorizado, sobretudo para quem ambiciona obter ganhos de massa muscular. No entanto, e como em tudo, tudo o que é demais também faz mal.

Hoje em dia vejo uma enorme quantidade de dietas que usam e abusam da proteína, como se ela fosse o santo graal do crescimento muscular. Na verdade é muito importante, sem dúvida nenhuma, mas não nos podemos esquecer que o músculo é cerca de 75% composto por água  apenas cerca de 20% de proteína.

Ou seja, 1 kg de músculo contém apenas 200 gramas de proteína, logo quanto mais proteína melhor. No entanto, a proteína não é o único fator limitante para o crescimento muscular.

Todas as pessoas têm uma capacidade limitada de absorver, excretar e aproveitar a proteína, sendo que essa quantidade, não deve ser ultrapassada largamente, além de não trazer benefícios extra, ainda pode trazer malefícios (muita gente diz que não tem mal ingerir proteína a mais, pois o que for em excesso é expelido através da urina, ou que é usado sem qualquer problema como fonte energética, no entanto não é tudo assim tão simples).

Para uma pessoa que ambicione o ganho de massa muscular, 2g/kg corporal de proteína é normalmente o valor mais recomendável e usual. Com este valor já estaremos em situações a ingerir o suficiente tanto para as reparações dos tecidos como para todas as necessidades do nosso organismo perante este nutriente.

No entanto, o problema não está em valores como este, que são completamente aceitáveis e recomendáveis para o objectivo em questão, mas em valores muito superiores que não raras vezes vejo (já a rondar as 3g/kg corporal ou até mais). Estes valores sim já podem começar a trazer malefícios para o nosso organismo.

Quem pensa que faz uma ótima alimentação, tendo em conta que consome carboidratos de qualidade e muitas gorduras poli e monoinsaturadas, mas depois ingere níveis muito elevados de proteína, está completamente enganado.

Na verdade, dietas muito ricas em proteína (mesmo que não haja o consumo de uma única grama de carboidratos) podem levar à diminuição da nossa sensibilidade à insulina (resistência à insulina), o que nada tem de benéfico para o ganho de massa muscular (tal como todos os outros problemas inerentes e que podem ser bem mais graves, mas é neste ponto que me vou focar).

Alimentos saudáveis
Não baseia as suas dietas apenas na proteína. Tente variar um pouco a a sua alimentação e incluir alimentos saudáveis.

Pois o que acontece, é que, quando a proteína está em excesso, esta vai sofrer um processo que se designa por gliconeogénese (formação de glicose), que levará a um aumento da glicémia e libertação constante de insulina. Além disso alguns aminoácidos também são responsáveis por aumentos na libertação da insulina, como a leucina e a arginina.

É também importante falar do perfil ácido que uma dieta rica em proteína acarreta. Isto fará com que haja o favorecimento de uma desmineralização óssea, diminuição de imunidade, possíveis efeitos na tiróide, diminuição da absorção de determinados minerais e vitaminas, etc.

Como podem ver, a proteína é realmente importante para a construção de massa muscular, ela faz parte do próprio músculo, mas o excesso além de não ser benéfico, traz mesmo malefícios para o nosso organismo escusadamente.

A proteína não é o único nem o mais importante fator do crescimento muscular, por esta esta deve ser usada em doses moderadas (2 gramas por kg corporal para quem treina e tem como objectivo ganhos de massa muscular), mas muito mais que isto é completamente escusado e desnecessário.

Proteína sim … Demais não

Avatar

Estudante de Dietética e Nutrição com grande gosto pela área da nutrição desportiva e pela área da musculação em particular. Praticante de ginásio assiduo e de longa data.

Comentários fechados.