O que acontece quando ingerimos proteína antes de um treino em jejum?

Realizar exercício aeróbico em jejum continua a ser uma estratégia popular para promover a oxidação de gordura.

No entanto, este continua a ser uma prática polémica, até porque, por um lado, temos estudos que suportam a alegação de que a prática de exercício em jejum promove uma maior oxidação de gordura e/ou um maior dispêndio de energia, por outro, temos estudos que concluíram que essa prática não se traduz em diferenças significativas a esse nível, ao final de um dia.

Entretanto, sabe-se que alguns indivíduos têm a prática de ingerir aminoácidos ramificados (BCAAs) antes de iniciarem o seu treino em jejum, com o objetivo de preservar a massa muscular.

Mas e se formos mais longe e optarmos por ingerir uma fonte de proteína completa, tal como a whey ou caseína? Essa foi a questão a que um grupo de investigadores tentou responder num estudo recente.

O estudo

Este estudo comparou, em diferentes ocasiões, a ingestão de 4 diferentes soluções contendo 25 g de proteína whey isolada (WPI), 25 g de caseína (CAS), 25 g de maltodextrina (MAL) ou um controlo não calórico (CON).

Após 8-10 horas de jejum, 11 voluntários ingeriram a solução e, meia hora depois, realizaram 30 min de corrida numa passadeira rolante, a 55-60% de reserva da frequência cardíaca.

Em cada ocasião, foi avaliada a oxidação do substrato de base e o gasto energético de repouso, com recurso ao método da calorimetria indireta.

Resultados

Observaram-se aumentos significativos do dispêndio energético em repouso após a realização de exercício de intensidade moderada em jejum, com a ingestão, antes do exercício, de proteína whey (+15,9%) e de caseína (+15,4%), em comparação com a ingestão de maltodextrina (+7,3%) ou com a realização de exercício em jejum (+8,9%).

A realização de exercício em jejum (controlo), não proporcionou uma maior oxidação de gordura durante os 30 min de exercício, em comparação com hidratos de carbono ou proteína, enquanto que a ingestão de caseína permitiu uma maior oxidação de gordura do que a ingestão de proteína whey.

Para além disso, estes investigadores verificaram que o exercício em jejum não tem um impacto apreciável no dispêndio energético ou na utilização de substrato, durante ou após o exercício.

Os investigadores concluíram:

“Esses resultados indicam que as taxas de dispêndio energético e de oxidação de gordura podem ser moduladas após o consumo de caseína antes da realização de exercício cardiovascular, e que o jejum não conduziu a uma maior oxidação de gordura durante ou após o exercício.”

Referência!

Avatar

Siga-nos através das redes sociais.