Os perigos da soja

Nos últimos anos, temos vindo a assistir a aumento exponencial do tipo de produtos com soja ou derivados de soja, bem como ao aumento do seu consumo. Isso deve-se em parte ao investimento em marketing feito pelas empresas, apoios dos governos à sua produção e também pela pressão do mercado internacional, que procura escoar a quantidade cada vez maior de soja que produz.

Infelizmente, nós, os atletas de ginásio, devemos ter cuidado, pois muitas empresas ainda estão a adicionar proteína de soja em fórmulas de proteína, barras e substitutos de refeições. Esperemos que, depois de ouvir o que tenho a dizer, você perceba que a soja não deve ser consumida por indivíduos do sexo masculino, especialmente culturistas.

A razão pela qual a soja é tão má, resume-se basicamente às isoflavonas que contém. Duas destas isoflavonas genisteína, daidzeína, são o que causa a maioria dos efeitos negativos observados com o uso de proteína de soja. Estes dois vilões ligam-se prontamente aos receptores de estrogênio.

Um receptor desses receptores é o receptor alfa e o outro, é claro, é o receptor beta. O receptor alfa é aquele geralmente associada aos tumores de mama, aumento da gordura corporal, retenção de água, etc O receptor Beta não é nada com que precise realmente de se preocupar. De qualquer modo, a genisteína e daidzeína podem-se ligar bastante bem ao receptor alfa.

Não é assim nada tão problemático, pois não? Bem, na verdade até poderia ser realmente ser algo benéfico se não ativasse a transcrição de uma forma significativa, pois isso seria o que é considerada uma ação anti-estrogénica. Por outras palavras, seria bom se a substância se ligasse ao local e não provocasse qualquer crescimento, ao mesmo tempo que evitaria qualquer estrogênio produzido naturalmente de se ligar (as “vagas” de estrogênio já estariam preenchidas). No entanto, a genisteína não activa a transcrição a um grau significativo após se ligar ao receptor alfa e, por conseguinte, irá provocar o crescimento de tecidos. (1,2,3)

Conheça a genisteína e a daidzeína

Infelizmente, as duas isoflavonas de soja que eu mencionei anteriormente, podem ter inúmeros efeitos adversos em vários aspectos corporais, desde a produção de testosterona, produção da tiróide, desenvolvimento muscular, e até mesmo na saúde geral.

Em primeiro lugar, vamos ver como a soja afeta a produção de testosterona. A capacidade da proteína de soja diminuir os níveis de testosterona já foi bem demonstrada. Um estudo mostrou uma redução de 76% da produção de testosterona nos homens, após a ingestão de proteína de soja ao longo de um breve período de tempo. (4)

Num outro estudo realizado em homens japoneses, foi encontrada uma associação inversa entre a ingestão de proteína de soja e os níveis de testosterona. ( 5) Finalmente, num outro estudo, utilizando ratos machos adultos saudáveis, foi comparada uma dieta contendo soja com uma dieta que consistia em proteína de carne, em termos de concentrações de hormonas sexuais. Bem, após avaliação, os níveis de testosterona eram significativamente mais baixos na dieta de soja.

Para além disso, o montante estimado de testosterona livre também foi 7% menor após a dieta de soja. (6)

Os ratos não se saíram muito melhor. A testosterona e o LH também foram reduzidas nos ratos que consumiram apenas a isoflavona genisteína (7).

As provas parecem muito conclusivas, poderão existir, é claro,outros fatores, mas é o suficiente para nos fazer pensar quando se considera se devemos ou não adicionar um pouco de soja à sua próxima bebida de proteína.

IGF-1, tiróide, e hormonas femininas

É bastante claro que a proteína de soja reduz os níveis de testosterona. Como é que isso afecta os níveis de estrogênio e de progesterona? Poderia pensar que a genisteína poderia pelo menos, reduzir a actividade do estrogénio em certa medida, uma vez que se liga ao mesmo receptor, certo? Bem, aparentemente não.

Acontece que a genisteína não inibe os efeitos do estradiol e, de facto, tem sido demonstrado que exerce um efeito aditivo quando combinado com o estradiol. (2,8)Isto significa que eles não interfirem um com o outro e ambos podem exercer os mesmos efeitos negativos ao mesmo tempo, e assim, exercerem um efeito duplo.

Para além disso, a genisteína também pode aumentar os níveis de estradiol. Acredita-se que isso pode ocorrer porque a genisteína pode deconjugar a estrona no intestino, permitindo assim que esta seja reabsorvida pela corrente sanguínea e se converta em estradiol (9).É possível que ela também possa exercer alguma actividade progestacional (10).

Pior ainda é que a actividade estrogénica destes fitoestrogénios pode ter sido subestimada no passado, já que existem provas de que podem ser muito mais potentes nos estudos in vivo em oposição aos estudos in vitro [tubo de ensaio] (11). Ah, e enquanto ainda estamos no tema das hormonas, também foi demonstrado que a proteína de soja diminui as concentrações de IGF-1 em ratos machos. (12)

Ah, e esqueci-me de mencionar que também pode diminuir os níveis de T4. (13)

Protegendo o nosso futuro

Embora ter filhos não seja definitivamente um objetivo imediato meu, tenho a certeza que existem muitos homens por aí que desejam transmitir os seus genes. Então, para esses homens, exorto-vos a não deixar o seu filho ou esposa grávida consumir nenhum dos produtos que contêm soja. Embora até ao momento não haja provas concretas, temos motivos para acreditar que é melhor tomarmos algum cuidado.

Por exemplo, quando ratos fêmeas foram alimentados com genisteína durante a gravidez, as suas crias pesaram significativamente menos do que os grupos que não foram alimentados com genisteína. (14) Para além disso, quando ratos jovens receberam genisteína, a espermatogénese diminuiu, tal como o peso corporal, o tamanho dos testículos, e, possivelmente, a vontade de acasalar. Um outro estudo encontrou resultados semelhantes. (15,16)

Ah, e antes que me esqueça, a genisteína tem demonstrado causar a morte de células testiculares, pelo menos in vitro (17).

Saudável? Não me parece!

Uma das principais razões pela qual a soja tem sido defendida e promovida, é porque supostamente pode reduzir o risco de doença cardíaca. No entanto, o mais engraçado, ou melhor, o mais assustador, é que o que foi realmente comprovado, é que a soja provoca a diminuição do colesterol HDL. (18,19) O colesterol HDL é “supostamente” o colesterol bom.

Para além disso, é possível que as isoflavonas podem induzir o crescimento e malignidade da próstata. Isto porque pensa-se que a Alfa ER pode ser pelo menos parcialmente responsável pela indução de crescimento. Assim, em teoria, uma vez que a genisteína pode agonizar o Alfa ER de uma forma muito idêntica ao estradiol, e poderia portanto, provocar o crescimento da próstata (20).

Ok, e em relação ao desenvolvimento muscular?

Ok, agora vamos passar para as coisas importantes. Qual é a qualidade da proteína de soja em termos de melhoria do desenvolvimento muscular? Bem, quando comparada com a caseína, foi ultrapassada em termos de digestão e síntese protéica. (21) Assim, sabemos que a proteína de soja não pode competir com proteínas como a caseína ou o soro de leite.

E que mais? Bem, apesar de isto o poder fazer arrepiar-se todo, sinto-me obrigado a dizer-lhe o seguinte. Foi demonstrado que a genisteína inibe a proliferação e a fusão de mioblastos e de uma forma dependente da dose!

Em resultado disso, diminuiu a síntese de proteínas e inibiu a acreção de proteína. Estes resultados ocorreram mesmo com as doses mais baixas. Os autores concluíram que, se os animais consumirem soja suficiente, as concentrações de genisteína podem potencialmente afetar o crescimento e desenvolvimento muscular normal. (22)

Isto sim, é qualquer coisa assustadora! Ok, mas as coisas não poderiam ficar ainda piores para a soja, certo? Bem, não só pode interferir no crescimento muscular, como também pode estragar o seu uso de pró-hormonas. E de que forma? Bem, a genisteína pode interferir com a conversão de 4-androstenediol para testosterona, reduzindo assim a eficácia do seu suplemento favorito! Isso acontece porque interfere com a enzima 3 beta-HSD (23).

O Fim?

Gostaria imenso que fosse o fim, mas o fato é que muitas empresas, com o incentivo do governo, irão continuar a adicionar proteína de soja aos seus produtos. Até porque a produção mundial de soja é algo na ordem das 250 milhões de toneladas, e toda essa quantidade tem que consumida por alguém, seres humanos ou animais. No entanto, a maioria de nós culturistas e atletas de ginásio, já temos a percepção de que os produtos de soja são prejudiciais para o ser humano e só temos de continuar a evita-los.

Mas… talvez eu esteja a ser um pouco hipercrítico demais neste artigo. Quero dizer, quem sabe, talvez a soja possa realmente ser um bom complemento para a mulher comum. Elas têm tendência a pensar que precisam de mais estrogênio e menos músculo.

De qualquer forma, o meu conselho para os leitores do musculação.pt, é que se me mantenham afastados da soja a todo o custo. De qualquer forma, a minha sugestão é que leia os rótulos dos alimentos e suplementos, de forma a certificar-se de que não existe soja dentro do produto. Transforme isso num hábito do seu quotidiano. Afinal de contas, cada um é responsável pela sua saúde. Tenha cuidado, ficaria surpreso com a quantidade de produtos que já contêm soja. Por agora, trate de manter os olhos abertos.

 Referências:

  1. Breinholt V, et al. “Estrogenic activity of flavonoids in mice. The importance of estrogen receptor distribution, metabolism and bioavailability.” Food Chem Toxicol 2000 Jul;38(7):555-64
  2. Casanova M, et al. “Developmental effects of dietary phytoestrogens in Sprague-Dawley rats and interactions of genistein and daidzein with rat estrogen receptors alpha and beta in vitro.” Toxicol Sci 1999 Oct;51(2):236-44
  3. Stahl S, et al. “Phytoestrogens act as estrogen agonists in an estrogen-responsive pituitary cell line.” Toxicol Appl Pharmacol 1998 Sep;152(1):41-8
  4. Zhong, et al. “Effects of dietary supplement of soy protein isolate and low fat diet on prostate cancer.” FASEB J 2000;14(4):a531.11
  5. Nagata C, et al. “Inverse association of soy product intake with serum androgen and estrogen concentrations in Japanese men.” Nutr Cancer 2000;36(1):14-8.
  6. Habito RC, et al. “Effects of replacing meat with soyabean in the diet on sex hormone concentrations in healthy adult males.” Br J Nutr 2000 Oct;84(4):557-63
  7. Strauss L, et al. “Genistein exerts estrogen-like effects in male mouse reproductive tract.” Mol Cell Endocrinol 1998 Sep 25;144(1-2):83-93
  8. Santell RC, et al. “Dietary genistein exerts estrogenic effects upon the uterus, mammary gland and the hypothalamic/pituitary axis in rats.” J Nutr 1997 Feb;127(2):263-9
  9. Harrison RM, et al. “Effect of genistein on steroid hormone production in the pregnant rhesus monkey.” Proc Soc Exp Biol Med 1999 Oct;222(1):78-84
  10. .Zand RS, et al. “Steroid hormone activity of flavonoids and related compounds.” Breast Cancer Res Treat 2000 Jul;62(1):35-49
  11. Nagel SC, et al. “The effective free fraction of estradiol and xenoestrogens in human serum measured by whole cell uptake assays: physiology of delivery modifies estrogenic activity.” Proc Soc Exp Biol Med 1998 Mar;217(3):300-9
  12. Aukema HM, Housini I. “Dietary soy protein effects on disease and IGF-1 in male and female Han:SPDR-cy rats.” Kidney Int 2001 Jan;59(1):52-61
  13. Klein M, et al. “Energy metabolism and thyroid hormone levels of growing rats in response to different dietary proteins?soy or casein.” Arch Tierernahr 2000;53(2):99-125.
  14. Flynn KM, et al. “Effects of genistein exposure on sexually dimorphic behaviors in rats.” Toxicol Sci 2000 Jun;55(2):311-9
  15. Atanassova N, et al. “Comparative effects of neonatal exposure of male rats to potent and weak (environmental) estrogens on spermatogenesis at puberty and the relationship to adult testis size and fertility: evidence for stimulatory effects of low estrogen levels.” Endocrinology 2000 Oct;141(10):3898-907
  16. Whitten PL, et al. “Phytoestrogen influences on the development of behavior and gonadotropin function.” Proc Soc Exp Biol Med 1995 Jan;208(1):82-6
  17. Kumi-Diaka J, et al. “Cytotoxic potential of the phytochemical genistein isoflavone (4′,5′,7-trihydroxyisoflavone) and certain environmental chemical compounds on testicular cells.” Biol Cell 1999 Sep;91(7):515-23
  18. Ashton E, Ball M. “Effects of soy as tofu vs meat on lipoprotein concentrations.” Eur J Clin Nutr 2000 Jan;54(1):14-9
  19. Madani S, et al. “Dietary protein level and origin (casein and highly purified soybean protein) affect hepatic storage, plasma lipid transport, and antioxidative defense status in the rat.” Nutrition 2000 May;16(5):368-75.
  20. Risbridger G, et al. “Evidence that epithelial and mesenchymal estrogen receptor-alpha mediates effects of estrogen on prostatic epithelium.” Dev Biol 2001 Jan 15;229(2):432-442
  21. Schadereit R, et al. “Whole body protein turnover of growing rats in response to different dietary proteins?soy protein or casein.” Arch Tierernahr 1999;52(4):311-21
  22. Ji S, et al. “Soybean isoflavones, genistein and genistin, inhibit rat myoblast proliferation, fusion and myotube protein synthesis.” J Nutr 1999 Jul;129(7):1291-7
  23. Keung WM. “Dietary estrogenic isoflavones are potent inhibitors of beta-hydroxysteroid dehydrogenase of P. testosteronii.” Biochem Biophys Res Commun 1995 Oct 24;215(3):1137-44

Deixe uma resposta