O tribulus terrestris não tem efeitos hormonais

Nas experiências que realizaram, o tribulus não teve qualquer efeito hormonal nos ratos.

Em países á volta do mediterrâneo, os utilizadores de ervas medicinais usam tradicionalmente extractos da planta tribulus terrestris como remédio para problemas de infertilidade e impotência. Os modernos estudos científicos também confirmaram a eficácia do tribulus nesses casos.

 

Para além disso e, no entanto, a indústria de suplementos começou a vender o mesmo tribulus como suplemento desportivo, afirmando que o tribulus eleva os níveis de testosterona. Uma teoria que as empresas de suplementos usam para suportar as suas afirmações é a de que compostos esteróides naturais no tribulus são convertidos em DHEA ou outra prohormona da testosterona.

Os brasileiros decidiram verificar se a teoria era verdadeira. Deram o suplemento de tribulus da marca “Androsten”, produzido pela empresa brasileira de suplementos “Herbarium” a ratos, por um período de 28 dias em doses de 11, 42 e 110 mg por de kg de peso corporal. A dose mais baixa é a equivalente à dose usual utilizada por humanos.

A outros grupos de ratos foi administrada uma dose de 5 mg de DHEA por kg de peso corporal, uma dose cerca de 10 vezes maior do que as empresas de suplementos recomendam aos humanos, ou 0,25 mg/kg de proprionato de testosterona ou 0,1 mg/kg de ethinyl estradiol. Os investigadores administraram todas as hormonas, dissolvidas em óleo, em forma oral.

O extracto de tribulus não teve efeitos androgénicos nos ratos castrados. A próstata dos animais não cresceu devido á administração do tribulus. No entanto a suplementação com proprionato de testosterona, estimulou o crescimento da próstata.

Tabela 1

Quando os investigadores examinaram as fezes dos ratos do grupo do tribulus e compararam com os dos ratos que receberam DHEA, descobriram que as fezes do último grupo continham mais metabólitos de hormonas sexuais masculinas. As fezes dos ratos do grupo do tribulus continha a mesma quantidade de androgénios como as fezes dos ratos que não receberam nenhum suplemento.

Por isso, a teoria de que o tribulus terrestris tem compostos que se convertem em DHEA ou substancias relacionadas com as hormonas androgénicas, é falsa.

Os brasileiros, quando compararam células dos úteros de ratos de diferentes grupos, descobriram que os ratos fêmea cujos ovários foram removidos, o extracto de tribulus não teve qualquer efeito hormonal.

Tabela 2

Uma dose alta de tribulus – mas não a dose mais elevada – aumentou os níveis de testosterona dos ratos não-castrados, mas o efeito não foi significativo.

Tabela 3

Os investigadores concluíram que, o tribulus terrestris não é capaz de estimular tecidos sensíveis às hormonas endócrinas como a próstata, vesícula seminal, útero e vagina nos ratos “Wistar”, o que indica uma falta de actividade androgénica e estrogénica “in vivo”. Também provámos que os níveis de androgénios no plasma se mantêm inalterados. No entanto, a fertilidade dos ratos melhorou,

Já era sabido que as afirmações feitas pelas empresas de suplementos que vendem tribulus eram falsas. Em 2008, investigadores de substâncias relacionadas com o doping, na Universidade de Lausanne na Suíça afirmaram que não encontraram nenhum efeito hormonal nos utilizadores de tribulus.

Três anos antes, investigadores búlgaros que, homens saudáveis não produzem mais testosterona como resultado da ingestão de tribulus terristris , e cinco anos antes disso, cientistas desportivos da Universidade do Nebrasca afirmaram que os atletas de força não ganham nada com a ingestão de tribulus.

Referencia!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Comentários fechados.