O que são os Pró-hormonais?

O que são os Pró-hormonais?

Um dos suplementos que mais está na moda hoje em dia, especialmente no Brasil é esta classe de suplementos, o dos pró-hormonais.

O seu consumo tem vindo a aumentar e a sua forma de uso é cada vez mais discutida, especialmente nos fóruns brasileiros, e por bons motivos, eles funcionam.

Uma vez que ainda existe uma grande falta de informação e desinformação acerca do que são os pro-hormonais, a sua forma de atuar no organismo, resolvi escrever este artigo para poder informar melhor os leitores deste site que possam estar interessados nesta classe de suplementos.

Quais suplementos são pró-hormonais?

Os pró-hormonais mais conhecidos e provavelmente também os mais eficientes são:

  • Superdrol, Mdrol (methasterone)
  • Pheraplex, DMT, Madol (desoxymethyltestosterone),
  • M1T (methyl 1 testosterone)
  • Epistane, Havoc (2a,3a-epithio17a methyl-17b-hydroxy-5a-androstane)
  • H-Drol (4-chloro-17a-methyl-androst-1,4- diene-3-17b-diol)*

* O H-drol é uma hormona que após a ingestão, é metabolizado pelo organismo-se em 4-Chlorodehydromethyltestosterone (Turinabol). Existem mais exemplos deste tipo de pró-hormonais que após ingeridos são convertidos noutras substância anabolizantes, mas este é o mais conhecido.

O que são os Pró-hormonais?
Alguns dos pró-hormonais mais conhecidos e potentes.

Existem bastantes mais suplementos pró-hormonais, inclusive vários que combinam alguns das pro-hormonas acima citadas, mas estes são os mais populares e mais usados.

O superdrol (Mdrol) em particular, é tido como um dos mais potentes e tem sido utilizado de forma bastante extensiva no Brasil. No entanto, ao contrário do Brasil, esta classe de suplementos ainda não goza de muita popularidade em Portugal.

O que são os pró-hormonais?

A meu ver, existem dois tipos básicos de pró-hormonais.

  • Substâncias que após conversão enzimática por parte do organismo se transformam na hormona ativa, ou seja, são percursores de algum tipo de hormona anabólica com características semelhantes à testosterona.
  • Substâncias que pela sua própria natureza são derivadas da testosterona e que não necessitam de nenhum tipo de conversão enzimática de forma a poderem exercer os seus efeitos.

Neste artigo iremos dedicar-nos sobretudo ao segundo tipo de pró-hormonais, no entanto, praticamente toda a informação deste artigo também se aplica ao primeiro tipo.

Os pró-hormonais são esteróides orais

Podemos afirmar com bastante segurança que os pro-hormonais são esteróides, ou que uma vez consumidos, são metabolizados pelo organismo em esteróides. E apesar de vários pró-hormonais terem vindo a ser proibidos pelos organismos competentes de cada país, têm vindo a ser lançados outros pro-hormonais diferentes, mas que exercem efeitos semelhantes.

Para ter uma ideia, o MADOL (desoxymethyltestosterone) é um esteróide que foi inventado em 1961 pelo cientista Matt Hoffman e posteriormente patenteado, mas que nunca chegou ao mercado. Foi posteriormente re-descoberto pelo químico Patrick Arnold, e a partir de 2005 várias empresas de suplementos começaram a produzir e a comercializar este composto em forma de suplemento.

O Superdrol (methasterone) também tem uma história parecida, tendo sido investigado nos anos 50, mas nunca foi lançado ao mercado, mas em 2005 a empresa de suplementos Designer Supplements começou a produzir e a comercializar este “esteróide de desenho” (designer steroid).

Após as primeiras empresas de suplementos terem iniciado a comercialização destes pró-hormonais, seguiram-se várias outras que lançaram “cópias” no mercado. Dito isto, pode ter a certeza que ao tomar pró-hormonais, estará a interferir no seu sistema hormonal. O que poderá provocar vários efeitos negativos, que podem ser temporários ou até mesmo permanentes, dependendo do composto utilizado e do tempo de utilização do mesmo.

Um dos efeitos mais sérios é a atrofia testicular e a impotência que são em parte consequência da falta de produção de testosterona por parte do organismo, que irá diminuir a produção própria assim que detetar um excesso de hormonas exógenas.

Pode-se dizer que o sistema hormonal funciona de forma bastante semelhante a um termostato. Tal como um termostato trabalha no sentido de manter a temperatura constante, o seu sistema hormonal também tenta manter os seus níveis hormonais equilibrados, e uma vez que existe um excesso de uma determinada hormona, como a testosterona por exemplo, o organismo irá tentar compensar esse excesso diminuindo a produção própria de testosterona.

Efeitos secundários

O que são os Pró-hormonais?
Os pró-hormonais funcionam da mesma forma que os esteróides anabolizantes orais e por isso, pode esperar os mesmos efeitos secundários.

Os pró-hormonais têm os mesmos efeitos secundários que os esteróides anabolizantes, e esses efeitos variam de indivíduo para indivíduo, dependendo também da substância ingerida, quantidade e período de tempo de ingestão.

Alguns dos efeitos secundários são acne, queda de cabelo, aumento de volume da mama (ginecomastia) e da próstata, impotência, atrofia testicular, queda de cabelo, retenção de líquidos, hipertrofia do coração (ventrículo esquerdo), etc.

No caso das mulheres, os efeitos secundários mais comuns são, a virilização (processo em que a mulher adquire caraterísticas masculinas como o agravamento da voz, aumento do pelo corporal, forma facial mais masculina, queda de cabelo), acne, desregulação do sistema hormonal e consequente possível cessação da menstruação.

No entanto, estes efeitos secundários também variam de acordo com o tipo de pro-hormonal e período de tempo durante o qual este foi utilizado.

Para além disso, praticamente todos os pro-hormonais são metilados / alfa-alquilatados de forma a sobreviverem à passagem pelo fígado e para dificultar a sua metabolização por parte do organismo.

Se não entendeu o que escrevi, não se preocupe, tudo o que precisa de saber é que estes compostos são bastante tóxicos para o fígado. Tenha isso em conta caso já tenha problemas ou tendência para ter problemas hepáticos.

Assim sendo é altamente recomendável que pesquise bastante acerca destas substâncias antes sequer de as adquirir e no caso de estar decidido a tomá-los, não se esqueça de preparar a sua terapia pós ciclo.

Conclusão

A minha intenção ao escrever este artigo foi a de informar o melhor possível o leitor, sobre o que são realmente estes compostos, de forma a poder tornar-se mais consciente acerca das caraterísticas e dos potenciais perigos derivados do consumo de pro-hormonais.

Tal como sou contra o uso de esteróides anabolizantes exceto quando se trata de utilização para tratamento de individuos doentes, como os que sofrem de hipogonadismo, também sou contra o uso dos pró-hormonais, que são basicamente, esteróides disfarçados de suplementos.

Dito isto, são vários os pró-hormonais que funcionam e pode esperar obter bons ganhos de força e massa muscular com o uso de alguns que foram referidos acima. Mas será que vale a pena arriscar os possíveis efeitos secundários por alguns quilos de músculo que, tal como acontece com os esteróides anabolizantes, apenas irá conseguir manter apenas durante alguns meses após cessar o seu consumo? A decisão é sua.

Mantenha-se saudável. 🙂

Fernando Ribeiro

Nutricionista (CP: 4100N) no Moreirense Futebol Clube. Licenciado em nutrição pela FCNAUP. Também publica nos blogs nutrasports.net e footballmedicine.net.

Comentários fechados.