O mito do chitosan (Quitosana)

Após 432 dias de ingestão de chitosan, iria emagrecer 1 quilo… Os suplementos de chitosan não são uma farsa completa, mas também não são realmente eficientes.

Há cinco anos atrás, nutricionistas da Universidade da Califórnia, mostram que o efeito atractor do chitosan é negligenciável.

O chitosan é uma fibra que se encontra nas carapaça dos caranguejos. No sistema digestivo, a fibra liga-se á gordura, de forma que o corpo não a poderá absorver. Por isso, em teoria, irá perder peso. Mas a quantidade real de gordura que o chitosan impede o corpo de absorver, é que os vendedores nunca revelaram.

É por isso que os investigadores foram pagos pela empresa de advogados “Consumer Justice Center” para testarem o suplemento de chitosan “Natural Balance Fat Magnet” em 12 homens e 12 mulheres. Durante uma experiência que durou 4 dias, os voluntários receberam todos os dias, 5 refeições com gordura. Antes de cada refeição, tomaram 2 cápsulas, ingerindo no total, 2.5 gramas de chitosan por dia.

Em resultado da ingestão do suplemento, o peso das fezes aumentou, especialmente nos homens, mas também nas mulheres. Mas a quantidade de gordura presente nas fezes, manteve-se praticamente inalterável.

Tabela 1
Tabela 2

Nos homens, a quantidade de gordura presente nas fezes aumentou em 1.8 gramas. Nas mulheres não houve praticamente qualquer mudança.

A quantidade de gordura “capturada” representa 16.2 kcal. Por isso, se absorver menos 16.2 kcal, após 432 dias, irá perder 1 kg de gordura. É melhor que nada, mas não é muito.

Quando os investigadores consultaram outros estudos acerca do chitosan, verificaram que os resultados foram muito semelhantes aos seus.

Este não será muito provavelmente, o melhor suplemento para perder peso

A conclusão a que os investigadores chegaram é clara: “Os autores têm agora provas de que as afirmações de que o chitosan é uma ajuda (bloqueador de absorção de gordura) para perda de peso não são meramente exageradas, são falsas.”

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.