O HMB é catabólico

Este estudo, não será, certamente, publicidade ao HMB, de nome completo “beta-hydroxy-beta-mehylbutyrate”. Os investigadores encheram ratos de HMB e depois estudaram o efeito deste metabólito derivado de aminoácidos no metabolismo da proteína dos ratos.

E, embora os próprios investigadores afirmem com uma nota de satisfação, que descobriram a forma como o HMB funciona no seu estudo com animais, nós, os escritores deste artigo – estamos a coçar a cabeça e confusos.

Qual é o efeito deste suplemento?

Os investigadores colocaram os animais numa jaula com sistema de conta-gotas, com 0,1 g HMB por kg de peso corporal. A um outro grupo de controlo foi apenas administrada água. Depois, os investigadores esperaram um dia antes de administrarem aos ratos os aminoácidos leucina e fenilalanina. Seguindo os aminoácidos, os investigadores foram capazes de determinar o efeito do HMB em termos de síntese e desintegração de proteína.

Tabela 1

O HMB reduz a desintegração de proteína, mas também reduz a síntese de proteína. De facto, o HMB reduz todo o processo metabólico da proteína. A tabela abaixo mostra o “rácio fraccional” da síntese de proteína em vários tecidos corporais. O metabolismo da proteína é reduzido em todos excepto no fígado.

Tabela 2

O caminho mais importante para a desintegração de proteína é através da “proteasome”, que é aonde a enzima “chimotripsina” divide a proteína em fragmentos. O HMB reduz a actividade desta enzima de forma considerável.

Tabela 3

E é isto que faz com que os investigadores tenham descoberto como funciona o efeito anti-catabólico do HMB. Voilá! Mas, e perguntamos nós, que uso pode haver para um suplemento anti-catabólico que também inibe os processos anabólicos dos atletas de força?

Já agora, existem estudos que mostram que o HMB realmente funciona. Mas quase todos foram realizados pelos próprios produtores de HMB e a maioria das vezes são muito suspeitos. Não estamos convencidos.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Deixe um comentário