O exercício e a aptidão física amenizam os efeitos do stress psicológico na longevidade

Um novo artigo publicado pelo jornal on-line Public Library of Science refere um estudo que comparou os efeitos do stress psicológico crónico em indivíduos sedentários ou fisicamente activos.

O estudo envolveu a análise do comprimento dos telómeros de 63 mulheres saudáveis na pós-menopausa. Os pesquisadores mediram o comprimento dos telómeros entre as mulheres, depois as mulheres tinham de completar uma escala de Percepção de Stress.

Depois disso, durante três dias as mulheres descreveram o tempo diário que investiram (em minutos) em actividade física vigorosa. Depois os pesquisadores calcularam a probabilidade de ter telómeros longos ou curtos em relação à idade, índice de massa corporal, a educação, a percepção de stress e nível de actividade.

Entre as mulheres sedentárias, cada unidade de aumento da percepção de stress (na Escala de Percepção do Stress), foi associada a uma probabilidade 15 vezes maior de ter telómeros mais curtos, um marcador biológico de envelhecimento.

No entanto, entre aqueles que realizam uma média de pelo menos 14 minutos diários de exercício vigoroso, os pesquisadores não encontraram nenhum aumento nas probabilidades de ter telómeros curtos, independentemente do nível de percepção de stress.

Por outras palavras, parece que as pessoas que dedicam o tempo suficiente, mas não excessiva, à realização de actividade física, desenvolvem uma maior resistência aos efeitos do envelhecimento provocados pelo stress psicológico.

Os autores propõem várias explicações para os efeitos benéficos da actividade física:

  • A actividade física moderada parece aumentar a produção de antioxidantes endógenos, que podem amenizar os efeitos pro-oxidativos do stress.
  • A aptidão e a actividade física parecem amenizar a resposta neuroendócrina ao stress, particularmente a nível de redução das respostas do sistema nervoso simpático e na produção de cortisol.
  • A actividade física parece reduzir ruminação cognitiva (ou seja, acalma a mente), o que resulta em menos actividade do sistema nervoso simpático e diminuição a produção de cortisol enquanto sob stress.

Em suma, este estudo sugere que, manter uma actividade física regular nos proteger tanto dos imediatos e dos efeitos do envelhecimento provocados pelo stress. Seria de se esperar isso de uma espécie que evoluiu por via de um estilo de vida que exigia a actividade física em busca de alimento. O exercício apropriado é essencial não só para a nossa saúde a nível físico, como também a nível mental.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Deixe um comentário

Siga-nos por Email
RSS
Instagram