O ácido ursólico é um suplemento multiusos

As empresas de suplementos promovem cada vez mais o ácido ursólico como um suplemento de musculação.

E por boas razões, já que estudos realizados em animais mostram que o composto que está presente na pele das maçãs, estimula o desenvolvimento e crescimento das células dos músculos.

Mas os cientistas que descobriram o efeito anabólico do malol, um outro nome para o ácido ursólico, já produziram um novo estudo que mostra que o composto também estimula a queima de gordura e aumenta a capacidade de resistência. O ácido ursólico é um suplemento desportivo multiusos.

Os investigadores que fizeram estas descobertas criaram uma pequena empresa chamada Emmyon que, de acordo com o site, que ainda está em construção, irá concentrar-se em formas de travar o enfraquecimento muscular.

Para além disso, os investigadores enviaram um pedido de patente sobre o uso do ácido ursólico como um fortalecedor muscular. Se a patente for aprovada todos esses suplementos incrivelmente interessantes que contêm ácido ursólico, podem muito bem desaparecer das lojas de suplementos.

Em junho de 2012 cientistas moleculares da Universidade de Iowa publicaram um estudo realizado em animais, que continha quantidades substanciais de dados, no PLoS One. A publicação também proporcionou o motivo por trás do pedido de patente que está a aguardar aprovação.

No estudo os americanos deram aos ratos uma ração que consistia em 55 por cento de gordura [HFD] durante seis semanas. Uma dieta como essa faz com que os ratos ganhem peso de forma rápida e a sua condição física também declina.

Se os animais tivessem recebido ácido ursólico [UA] na sua alimentação – 0,14 por cento parece ser a melhor concentração – os seus músculos tornavam-se maiores e mais fortes. A síntese de IGF-1 e VEGF e a concentração de Akt fosforilada nas células dos músculos, aumentou.

O ácido ursólico é um suplemento multiusosQuando os investigadores fizeram os ratos correr até ao ponto de exaustão, eles notaram que a suplementação de ácido ursólico tinha melhorado a capacidade de resistência dos ratos. No entanto, o ácido ursólico não teve um efeito estimulante: não aumentou a frequência cardíaca nem a pressão sanguínea dos ratos do grupo UA.

Ao mesmo tempo, o ácido ursólico inibiu o aumento dos peso corporal e o crescimento dos tecidos gordos. Também aumentou o consumo de energia ao estimular o crescimento de tecido adiposo castanho e inibiu o crescimento de tecido adiposo branco. O tecido adiposo castanho pode queimar gordura e convertê-la em calor; o tecido adiposo branco não faz isso.

O ácido ursólico é um suplemento multiusos

Ainda é muito cedo para dizer até que ponto é que o ácido ursólico medida estimula a desagregação do tecido adiposo em seres humanos. As crianças ainda têm grandes quantidades de gordura castanha, mas a quantidade diminui à medida que chegam à idade adulta.

Os adultos ainda têm algum tecido adiposo castanho, e essa quantidade pode aumentar, por exemplo, através da exposição a temperaturas frias. Mas não está claro se os adultos têm a quantidade suficiente de tecido adiposo castanho para este ter um efeito metabólico.

Os investigadores concluíram:

Se o ácido ursólico tem efeitos semelhantes nos ratos e seres humanos, então, o ácido ursólico e / ou análogos estruturais podem ser agentes terapêuticos úteis para tratar uma série de distúrbios metabólicos cada vez mais comuns, incluindo a atrofia do músculo esquelético, a obesidade, a diabetes do tipo 2 e a doença do fígado gordo não alcoólico (esteatose hepática).

Referência!

 

Avatar

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.