Níveis baixos de insulina, a chave para a longevidade

Um novo estudo examinou os efeitos dos alimentos nos sinais biológicos típicos da velhice. Geralmente, à medida que for envelhecendo, irá ter níveis mais altos de glicose, insulina e triglicerídeos.

Aos participantes do estudo foi fornecida uma dieta alta em gordura e baixa em hidratos de carbono, com uma quantidade adequada de proteína. Os investigadores mediram um número de factores, incluindo o peso corporal, níveis de glicose em jejum no sangue, insulina, leptina, lípidos (colesterol) e hormona da tiróide (T3).

A dieta proporcionou melhorias nos factores relacionados com o processo de envelhecimento. Os níveis de leptina em soro diminuiu em média 8%, a insulina 48%, a glicose em jejum 40%, os triglicerídeos em cerca de 8% e a T3 livre em quase 6%.

Numerosos estudos têm mostrado que, diminuir o aporte calórico pode tornar mais lento o processo de envelhecimento, reduzir as doenças crónicas relacionadas com a idade e prolongar o tempo de vida. Estes efeitos têm sido observados numa variedade de espécies, desde as minhocas até aos ratos e peixes, e existem provas de que têm um efeito semelhante no ser humano.

No entanto, ao aprofundarmos o tema, parece claro que o factor que torna a dieta de restrição de calorias benéfica em primeiro lugar, é a diminuição dos níveis de insulina.

O que sabemos acerca da dieta de restrição calórica, é que reduz o ritmo metabólico, o stress oxidativo, e altera o sistema nervoso neuro-endócrino e simpático dos animais, tal como foi notado numa review do “American Journal of Clinical Nutrition”.

Também aumenta a sensibilidade á insulina, e este factor pode explicar muito do fenómeno da longevidade, tal como evidenciado (de novo) neste ultimo estudo.

Tudo isto faz perfeitamente sentido, dado que sabemos que níveis altos de insulina aceleram o processo de envelhecimento.

Reduzir o consumo de açúcar pode adicionar anos à sua vida.

Acredito que ingerir menos comida seja possivelmente mais saudável para as pessoas a longo prazo, mas, é ainda mais importante ingerir e beber alimentos que não aumentem de forma excessiva os níveis de insulina.

Por exemplo, ingerir açúcar e grãos, aumenta os seus níveis de insulina e é uma forma certa de acelerar o processo de envelhecimento. As bebidas têm aqui um papel de destaque, já que os refrescos (soda, etc) com níveis altos de frutose derivada do xarope de milho, são a fonte numero um de calorias nos EUA e devasta o seu nível de resistência á insulina.

As dietas altas em açúcar e grãos, são também a causa principal da obesidade e excesso de peso, mais do que a restrição de alimentos em geral, a insulina é também um dos principais contribuidores para uma vida mais curta, tal como evidenciado por outro estudo de 2003, publicado no Jornal “Science”. Este elegante estudo de Harvard, confirma que a insulina é o principal mecanismo através do qual este resultado é mediado.

Infelizmente, muitos profissionais da área da saúde, são ainda ignorantes no que diz respeito á profunda influência que a insulina provoca na saúde. Tente compreender que um firme conhecimento do papel da insulina, é uma das coisas mais importante que você pode fazer para optimizar a saúde e viver mais tempo.

Para ver uma excelente análise aprofundada apenas acerca do quão prejudicial pode ser o açúcar (especialmente a frutose)para a sua saúde, veja esta análise do Dr. Lusting se ainda não viu. É um vídeo que pode chegar a ser chocante, já que alerta sobre as muitas formas intricadas de como o açúcar pode causar prejudicar e interferir na sua saúde.

Não é apenas “quanto”, mas sim “o que” come, que determina a sua longevidade

Os autores do artigo acima afirmaram:

De forma interessante, os indivíduos centenários possuem níveis mais baixos de glicose, insulina, leptina, T3 livre e triglicerídeos mais baixos do que aqueles que não vivem até aos 100 anos. Sendo assim, o mecanismo fundamental através do qual a dieta de restrição calórica aumenta a esperança de vida, parece estar relacionada com a alteração desses parâmetros metabólicos.

Neste documento, examinamos o impacto de uma dieta especificamente formulada de forma a melhorar os parâmetros metabólicos independentemente do aporte calórico.

Esta dieta é baseada na premissa de que a redução da glicose e proteína como substratos para o metabolismo oxidativo e o aumento da oxidação dos ácidos gordos, muitas das mesmas mudanças fisiológicas que se vêem nos animais em dieta de restrição calórica serão também vistas nos indivíduos que sigam este tipo de dieta.

Um facto chave aqui presente, que eu acho interessante, é o facto de que não se focaram no aporte calórico. A quantidade de alimentos não foi restrita, em vez disso foi dito aos participantes para se alimentarem quando tivessem fome. Em vez disso, os investigadores focaram-se nos tipos de alimentos que iriam provocar a diminuição da glicose no sangue, insulina, leptina e triglicerídeos – Todos eles são factores importantes para a saúde em geral.

Então, que alimentos são esses?

  • Nozes e frutos secos ao natural
  • Abacate
  • Azeitonas
  • Azeite

Os participantes do estudo que não realizaram exercício, limitaram a ingestão de proteína para aproximadamente 1 grama por kg de peso corporal por dia, enquanto que os que fizeram exercício puderam subir para 1.25 gramas/Kg de peso corporal por dia. (Isto equivale a cerca de 50-80 gramas de proteína por dia para a maioria dos participantes.)

As fontes de proteína incluíram:

  • Peixe, sardinhas e outros alimentos do mar
  • Ovos
  • Tofu
  • Frango e Peru
  • Carne de animais selvagens
  • Queijos como o queijo cottage, ricota e suíço
  • Hambúrgueres vegetarianos

Como fonte de hidratos de carbono, só foram permitidos vegetais fibrosos, não amiláceos (cereais, batata, etc) tais como:

  • Repolho e outros vegetais
  • Brócolos e couve-flor
  • Pepinos
  • Cogumelos
  • Cebolas
  • Pimentos
  • Espargos
  • Agrião
  • Algas

A maioria dos participantes acabou por ingerir uma dieta composta por 20% de hidratos de carbono (não amiláceos), 20% de proteína, e 60% de gordura. E como resultado disso, os participantes perderam uma média de cerca de 3 kgs ao longo de cerca de 3 meses.

Devo dizer que, embora este rácio de hidratos de carbono/proteína/gordura tenha proporcionado uma perda de peso significativa aos participantes deste estudo, pode ou pode não ser o rácio ideal para toda a gente, especialmente a longo prazo. Somos todos diferentes, e dependendo do seu tipo nutricional, você pode necessitar de mais ou menos de cada um destes três tipos de nutrientes. Para além disso, algumas das fontes de proteína da lista, podem fazer mais mal que bem.

Para mais informações acerca do tipo nutricional e desenvolvimento de um plano dietético individualizado, siga o link seguinte…

No entanto, O ponto-chave aqui, é que a eliminação de amiláceos (grãos, batata…), levou a que todos os participantes obtivessem melhorias significativas a nível de saúde.
Para além das recomendações dietéticas acima descritas, os participante foram também aconselhados a limitar o consumo de bebidas para cerca de 6-8 copos de água e/ou chá de ervas – de novo, eliminando completamente bebidas açucaradas como os refrigerantes e sumos de fruta.

Também foram recomendados suplementos para “melhorar o metabolismo da gordura e aumentar a sensibilidade à insulina” incluindo:

  • Óleo de fígado de bacalhau 1colher de mesa
  • Magnésio 300 mg
  • Vitamina C 1000 mg
  • Vitamina E 800 mg
  • Multivitamínico que incluiu todas as vitaminas essenciais do complexo b e minerais.

Por ultimo, mas não menos importante, o uso da medicação para o colesterol e diabetes foi abandonada antes do inicio da dieta, e aos que estavam a tomar medicação para a redução da tensão arterial, foi reduzida a dose ou foi abandonado o seu uso uma vez que a tensão arterial normalizou.

Para além da perda de peso significativa, os participantes obtiveram também melhorias significativas em todas as áreas que influenciam a longevidade, incluindo:

  • Redução da pressão sistólica e diastólica (em cerca de 10 e 11 mmHg respectivamente)
  • Redução dos níveis de leptina (em cerca de 48%)
  • Redução dos níveis de insulina (em cerca de 40%)
  • Redução dos níveis de glicose em jejum (em cerca de 7%)
  • Redução dos níveis de T3 livre (em cerca de 10%)
  • Redução dos níveis de triglicerídeos (em cerca de 28%)
  • O rácio médio de triglicerídeos/HDL (um potente indicador de possível doença cardíaca) também diminuiu em aproximadamente 50%!

Os autores concluíram que:

No contexto de clínica de pacientes não hospitalizados, uma dieta alta em gordura, adequada em proteína, baixa e hidratos de carbono, com suplementação nutricional, leva a melhoria no soro sanguíneo, dos factores relacionados com o processo de envelhecimento.

Leptina – Tão importante como a Insulina para a saúde e longevidade

De notar que, a dieta acima foi capaz de reduzir o níveis de leptina pous uns saudáveis 48% em cerca de três meses! Porque existe evidência de que a leptina pode ser um factor muito importante para optimizar a sua saúde e aumentar a sua longevidade.

Tal como a insulina, a hormona leptina também tem sido implicada num vasto conjunto de doenças crónicas que estão tipicamente associadas com o processo de envelhecimento. A leptina é produzida pelas suas células adiposas, e informa o seu corpo acerca de quando é necessário produzir mais energia (e desta forma, controlando o seu apetite) e o que fazer com a energia disponível.

A leptina também tem bastante influência, ou até mesmo controlo, nas funções do hipotálamo no cérebro, o que pode causar impacto no seu sistema reprodutor, função da tiróide, função adrenal
e no sistema nervoso simpático.

Tal como os seus níveis de insulina, se os seus níveis de leptina se tornarem altos, os seus sistemas corporais irão desenvolver resistência a esta hormona, o que irá provocar estragos no seu organismo.

Conclusão

O estudo acima é uma bela ilustração de como se pode melhorar a saúde de forma significativa e aumentar a esperança vida, através de eliminação do açúcar, hidratos de carbono feculentos e ingerindo uma dieta alta em gorduras saudáveis, vegetais frescos e proteínas limpas – tudo isto em apenas TRÊS MESES!

Fonte!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Comentários fechados.