Gordo em criança? Talvez se mantenha gordo para o resto da sua vida…

Foi gordo em criança? Foi alimentado com uma dieta à base de refrigerantes, jantaradas em frente à televisão e barras de chocolate? Então, é provável que o seu metabolismo tenha mudado para toda a vida. O seu organismo poupa muito mais energia que recebe dos alimentos, do que o corpo de uma pessoa que foi magra em criança. Mas claro, isso pode dar jeito em caso de haver um período de fome, mas não são boas notícias, se pretende vir a conseguir visualizar os seus abdominais.

Investigadores da Universidade de Chicago escreveram acerca de mudanças metabólicas em “PLos ONE”, num artigo em testes com ratos C57BL/6. Aparentemente, esses animais ficaram tão viciados em batatas fritas e chocolate como a maioria de nós.

Quando os ratos ainda eram jovens, os investigadores deram a metade deles, durante 2 semanas, uma dieta que consistia em metade de alimentos de boa qualidade e metade em manteiga de amendoim e chocolates Nestlé (chocolate de leite e diversos sabores de chocolate branco).

Foi permitido aos animais, ingerirem a quantidade que desejassem. [Unlimited] O grupo de controlo recebeu apenas ração para ratos e nada mais [No sucrose]. Após algumas semanas, ambos os grupos regressaram às suas dietas normais.

Foi quando os ratos atingiram o estado adulto que a verdadeira experiência começou. Nesse ponto, ambos os grupos receberam uma dieta enriquecida com açúcar e “fast food” gordurosa. Desta forma, os investigadores puderam comprovar o efeito que causou a dieta da manteiga de amendoim e chocolate, na sua juventude.

Quando a experiência começou, os ratos de ambos os grupos pesavam aproximadamente o mesmo. Mas, subsequentemente, os animais que tinham sido engordados quando jovens, ganharam peso de forma mais rápida que os ratos que tiveram uma infância saudável. Os ratos que continuaram numa dieta normal, não ganharam peso.

Tabela 1

Seja como for, os animais de ambos os grupos, ingeriram a mesma quantidade de comida. As linhas partidas representam os ratos aos quais foi administrada uma dieta rica em gordura e açúcar durante algumas semanas quando já estavam no estado adulto. A dieta da “fast food” estimulou os ratos a comerem mais. E não fez diferença, se o rato esteve exposto a uma dieta “fast food” quando eram novos ou não.

Tabela 2

Os ratos tinham uma roda para fazer exercício, como uma espécie de máquina fitness. Os investigadores registaram a quantidade de tempo que os ratos passavam a fazer exercício, e observaram que os ratos que receberam “fast food” quando jovens, não eram menos activos. Por isso, isso também não é uma possível explicação.

Tabela 3

Quando os investigadores começaram a fazer cálculos, descobriram que, mesmo a curta exposição à “fast food”, foi o suficiente para tornar o corpo dos ratos mais eficiente a armazenar energia dos alimentos. E o efeito foi bastante forte.

Tabela 4

Ok, os ratos C57BL/6 não são seres humanos. Mas se este efeito também é visto em seres humanos, e porque seria o nosso metabolismo assim tão diferente do metabolismo dos ratos? Este estudo poderia certamente causar consequências políticas e económicas.

Certamente que proporciona uma novo ponto de vista na discussão da publicidade financiada pela indústria alimentar “fast food”, direccionada às crianças e que lhes ensina maus hábitos alimentares.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.