Diferenças entre vitaminas naturais e sintéticas

Diferenças entre vitaminas naturais e sintéticasExiste uma vasta diferença entre as vitaminas e minerais naturais e as sintéticas. Nos alimentos naturais, existem muitos factores presentes.

Quando ingere alimentos naturais ou toma suplementos derivados dele, está a obter todos os factores, conhecidos e desconhecidos. Tais produtos naturais, proporcionam resultados muito melhores que os químicos sintéticos.

A ilusão das vitaminas sintéticas

Muitos químicos afirmam que, as vitaminas sintéticas são, molécula por molécula, idênticas ás vitaminas naturais. O factor isolado de cada uma, pode ser idêntico, embora novas informações coloquem em causa esta crença. Os suplementos sintéticos produzidos pelo homem são uma combinação de alguns desses factores separados, nunca de todo o complexo de factores sinergistas encontrados na natureza. A família completa das vitaminas B,C ou E, são conhecidos como “complexos”.

As vitaminas sintéticas, podem causar melhorias de certas condições a curto prazo, mas o complexo completo vai ainda mais longe. Hoje em dia, acredita-se que os co-factores desconhecidos presentes nas vitaminas naturais, não encontradas nas formas sintéticas, agem como catalistas que tornam as vitaminas mais eficientes. A razão pela qual as vitaminas sintéticas são tão populares, é porque são mais fáceis e baratas de produzir num laboratório a partir de derivados do petróleo, do que plantar e extrair das plantas.

As vitaminas estão-lhe a provocar deficiências?

As pesquisas indicam que as vitaminas sintéticas, podem na verdade, causar deficiências nutricionais. Quanto ingere uma vitamina sintética, ela necessita de co-factores normalmente presentes no alimento completo. Se não está presente nos alimentos que ingere, irá utilizar os co-factores presentes no seu organismo. Poderá sentir-se bem por algum tempo, mas quando os co-factores se esgotarem. A ciência ainda não está nem perto de poder copiar a natureza. Muitas doenças, dores e sofrimento, são o resultado da nossa ignorância dietética.

Vejamos a vitamina C, por exemplo. A FDA permite que o ácido ascórbico seja denominado por vitamina C. No entanto, o ácido ascórbico, é o anti-oxidante protector do complexo da vitamina C, de forma muito idêntica á casca que protege o ovo. O complexo C consistem em, vitamina P, J e K. A maioria das pessoas nunca ouviram sequer falar das vitaminas J ou P. A vitamina J transporta o oxigénio e a vitamina P é o factor anti-fragilidade. Existe outro elemento na vitamina C natural, chamado de terrosenase, que é uma enzima do cobre. É necessária para produzir a hemoglobina e prevenir a anemia.

O ácido ascórbico, por outro lado, é o químico da porção exterior da vitamina C natural, que é deficiente em todos esses co-factores e nunca terão o mesmo efeito que a vitamina C natural tem. Não tem efeitos positivos  na constipação comum ou outras condições que a vitamina C tem. Estudos revelam que as pessoas que ingerem uma dieta rica em vitamina C, obtêm efeitos muito mais positivos do que aquelas que ingerem ácido ascórbico. De facto, o organismo possui uma enzima que elimina o ácido ascórbico. A natureza sabe que precisamos do ovo e não da casca.

A vitamina E, é semelhante. Também possui um anti-oxidante protector chamado “tocoferol”. Existem a alpha-, beta-, gamma-, e delta-tocoferoles. E a sua função é proteger o centro da vitamina, que é o mineral selénio. Para além do selénio, eles também protegem alguns factores (ácidos gordos essenciais), que são necessários para transportar o cálcio.

Muitas pessoas que sofrem de cãibras, apressam-se a ingerir cálcio, quando o problema é, na verdade, é que, estão a ingerir doses elevadas da porção exterior da vitamina E, chamada tocoferol. A forma de vitamina E natural, proveniente dos alimentos, contém vitamina F, que transporta o cálcio da corrente sanguínea para os tecidos, prevenindo, desta forma, as cãibras.

Para além disso, envolvidas nas vitamina E, estão outras fracções E, que são importantes para a saúde cardiovascular, e na qual a vitamina E sintética, não terá efeito. Verifique o seu frasco de vitaminas. A vitamina E natural é o d-tocoferol, enquanto a vitamina E sintética se representa por dl-tocoferol.

As vitaminas sintéticas nunca irão ter os efeitos das vitaminas naturais, simplesmente porque lhes faltam muitas partes de todo o complexo.

As enzimas são necessárias para colocarem tudo a funcionar.

As vitaminas desempenham apenas uma pequena parte na nossa nutrição diária, e os nutricionistas sábios, sabem que as vitaminas pouco podem fazer sem minerais. Quando se encontra deficiente em vitaminas, o sistema pode fazer uso dos minerais, mas com falta de minerais, as vitaminas perdem a capacidade de realizarem o seu trabalho. Os minerais permitem que as vitaminas executem as suas funções. Por exemplo, o mineral ferro tem uma relação com a vitamina C.

A vitamina C auxilia a absorção do ferro através das paredes intestinais. No entanto, a deficiência de ferro aumenta as suas necessidades de vitamina C. Quanto menos ferro estiver presente na sua dieta, maiores serão as suas necessidades de vitamina C. As vitaminas necessitam de minerais. No entanto, nenhum deles pode funcionar sem enzimas. Pode ser inteligente, colocar as enzimas em primeiro lugar na nutrição, em termos de importância.

Deixe uma resposta