Controvérsias da proteína – Cancro do cólon e Problemas cardiovasculares

Controvérsias da proteína - Cancro do cólon e Problemas cardiovascularesAfirma-se com frequência que uma ingestão elevada de proteína, especialmente de carne vermelha, está envolvida no desenvolvimento de uma variedade de problemas de saúde, especialmente problemas cardiovasculares e cancro do cólon.

Uma ingestão elevada de proteína provoca problemas cardiovasculares, cancro do cólon, etc?

Uma grande parte das investigações que suportam essa ideia são trabalhos observacionais em que se verifica que os indivíduos que consomem uma dieta à base de carne têm maiores probabilidades de desenvolver tais doenças. Também existem evidências que sugerem as dietas vegetarianas proporcionam benefícios para a saúde. (1)

No entanto, tal como acontece com o tema da proteína e da saúde óssea, não podemos simplesmente isolar a ingestão de proteína /carne de outros aspetos da dieta. Isto é importante quando analisamos as pesquisas, já que a maioria tende a ter uma natureza epidemiológica, isto é analisa grandes populações de indivíduos e tenta criar correlações entre diferentes variáveis medíveis. Isto pode levar os investigadores a conclusões incorretas.

Por exemplo, as dietas modernas ricas em carne também são tipicamente muito ricas em gordura, contendo portanto uma maior quantidade calorias, o que pode conduzir à obesidade, um conhecido fator de risco para várias doenças.

Em contraste, as carnes vermelhas magras, sem gordura visível, têm um impacto drasticamente diferente no risco de desenvolvimento de problemas cardiovasculares (2). As carnes magras não processadas também não aumentam os marcadores de inflamação ou oxidação (3).

Em adição aos seus fatores promotores do cancro, a carne também contém um número de fatores preventores do cancro (4). Também foi demonstrado que a substituição de carboidratos por carne vermelha magra, diminui a tensão arterial (5). A chave aqui, é claro, é que foi estudada a carne vermelha magra, em oposição aos cortes mais gordos comumente consumidos.

As dietas ricas em carne são muitas vezes pobres em frutas e vegetais (o que significa uma baixa ingestão de micronutrientes importante, bem como de fibra) e as pesquisas sugerem que é a falta desses alimentos (frutas, vegetais) mais do que a presença de carne vermelha, a verdadeira responsável pelo aumento do risco de cancro (6).

A ingestão elevada de gordura também tem sido associada com uma baixa variedade alimentar e baixa ingestão de frutas e vegetais (7); isto iria contribuir ainda mais para a aparente ligação entre o consumo de carne gorda e os riscos para a saúde.

Colocando as coisas de uma forma diferente, irá haver uma diferente bastante grande no impacto global de uma dieta que é rica em proteína animal, rica em gordura, pobre em frutas e vegetais (e portanto pobre em fibra e outros nutrientes importante) que pode ser acompanhada por outros riscos para a saúde tais como a inatividade, obesidade, etc.

Isto estaria em completo contraste com uma dieta atlética que contenha boas quantidades de carnes magras juntamente com uma grande ingestão de frutas e vegetais, níveis elevados de atividade, manutenção de um baixo nível de gordura corporal, etc.

Tal como já mencionei em artigos anteriores, no que diz respeito à saúde óssea, qualquer dieta rica em proteína animal deve ser acompanhada por uma ingestão elevada de fruta e vegetais. Para além disso, sempre que possível, deverá escolher cortes magros de carne (especialmente quando se trata de carne magra).

Conclusão

Controvérsias da proteína - Cancro do cólon e Problemas cardiovasculares
É importante que uma ingestão elevada de proteína seja acompanhada por uma aumento da ingestão de frutas e vegetais.

O consumo de grandes quantidades de proteína foi associado a uma série de riscos para a saúde, isto inclui potenciais problemas nos rins, saúde óssea, acidose metabólica e certos tipos de cancro. Para a maior parte, estes riscos tendem a ser extremamente exagerados.

Embora uma ingestão elevada de proteína possa causar problemas quando já existem problemas nos rins, nenhuma investigação sugere que a ingestão elevada de proteína provoca problemas renais.

Embora exista potencial para uma ingestão elevada de proteína causar perda corporal de cálcio, isto parece ocorrer apenas quando a ingestão de cálcio é insuficiente; uma ingestão elevada de proteína acompanhada por uma elevada ingestão de cálcio, melhor a saúde óssea.

Assegurar a ingestão suficiente de vegetais juntamente com uma elevada ingestão de proteína é um aspeto chave, não apenas para a saúde óssea, mas também para prevenir a ligeira acidose metabólica que pode ocorrer quando se ingerem grandes quantidades de proteína sem outros alimentos.

As preocupações em relação ao cancro e às doenças cardiovasculares estão mais relacionadas com a contribuição de um elevado conteúdo de gordura de muitos cortes de carne, juntamente com outros fatores nutricionais, tais como uma ingestão insuficiente de frutas e vegetais.

Outros fatores de estilo de vida que tipicamente acompanham o consumo de carne gorda provavelmente também contribuem para o risco geral de desenvolvimento dessas doenças.

Na realidade, foi demonstrado que o consumo de cortes magros de carne melhora a saúde geral; e é por esta razão que tanto as dietas para os desportistas como as dietas orientadas para a saúde geral devem idealmente conter grandes quantidades de frutas e vegetais.

Leia também os restantes artigos desta série:

Avatar

Siga-nos através das redes sociais.

Deixe uma resposta