Compostos bioativos das bagas podem reduzir a tensão alta

Comer amoras pode proteger contra a tensão arterial elevada, segundo uma nova pesquisa da Universidade de East Anglia (UEA) e Universidade de Harvard.

A tensão arterial elevada – ou hipertensão – é uma das principais doenças cardiovasculares em todo o mundo. Isso origina acidentes vasculares cerebrais (AVC) e doença cardíaca e custa mais de 300 biliões de dólares por ano em despesas de saúde. Em termos globais, cerca de um quarto da população adulta é afectada – incluindo 10 milhões de pessoas no Reino Unido e um em cada três adultos dos EUA.

Publicado no próximo mês no “American Journal of Clinical Nutrition”, as novas descobertas mostram que os compostos bioactivos dos mirtilos chamados antocianinas oferecem protecção contra a hipertensão. Em comparação com aqueles que não comem mirtilos, aqueles que comem pelo menos uma porção por semana reduzem o risco de desenvolver a doença em 10 por cento.

As antocianinas pertencem à família de compostos bioactivas, chamados flavonóides e são encontrados em grandes quantidades nas groselhas, framboesas, beringelas , toranjas  e mirtilos. Outros flavonóides são encontrados em muitas frutas, legumes, grãos e ervas. Os flavonóides presentes no chá, sumo de frutas, vinho tinto e chocolate escuro já são conhecidos por reduzir o risco de doença cardiovascular.

Este é o primeiro grande estudo para investigar o efeito de diferentes flavonóides sobre a hipertensão.

A equipa de cientistas da UEA e de Harvard estudaram 134.000 mulheres e 47.000 homens das coortes estabelecidas de Harvard, o “Nurses ‘Health Study” e o “Health Professionals Follow-up Study” durante um período de 14 anos. Nenhum dos participantes sofria de hipertensão no início do estudo.

Os indivíduos foram convidados a preencher questionários sobre a saúde a cada dois anos, e sua ingestão dietética foi avaliada a cada quatro anos. A incidência de hipertensão recém diagnosticada durante o período de 14 anos foi, então, relacionada ao consumo de vários flavonóides diferentes.

Durante o estudo, 35.000 participantes desenvolveram hipertensão. A informação sobre a dieta identificou o chá como sendo a principal fonte de flavonóides, com as maçãs, sumo de laranja, mirtilos, o vinho tinto, e os morangos a forneceram também, quantidades importantes.

Quando os pesquisadores analisaram a relação entre as subclasses individuais de flavonóides e a hipertensão, eles descobriram que os participantes que consumiam maiores quantidades de antocianinas (encontrado principalmente em amoras e morangos na população norte-americana), tiveram oito por cento menos probabilidade de serem diagnosticados com hipertensão do que aqueles que consumiam menores quantidades. O efeito foi ainda mais forte em participantes com menos de 60 anos.

O efeito foi mais forte foi atribuído ao mirtilo e não ao consumo de morango. Comparado com as pessoas que não comiam mirtilo, aqueles que comiam pelo menos uma porção de mirtilos por semana tinham 10 por cento menos probabilidades de se tornarem hipertensos.

O autor Prof Aedin Cassidy, do Departamento de Nutrição da Faculdade de Medicina da UEA, afirmou:

Os nossos resultados são animadores e sugerem que a ingestão dietética de antocianinas pode contribuir para a prevenção da hipertensão. As antocianinas são facilmente incorporadas na dieta, já que estão presentes em muitos alimentos comummente consumidos.

Os mirtilos foram a fonte mais rica neste estudo em particular, já que também são frequentemente consumidos nos EUA. Outras fontes ricas em antocianinas, no Reino Unido incluem groselhas, toranjas, beringelas e framboesas.

A próxima etapa da pesquisa será a realização de ensaios clínicos randomizados com diferentes fontes alimentares de antocianinas para definir a dose ideal e fontes para a prevenção da hipertensão. Isso permitirá o desenvolvimento de recomendações de saúde pública orientadas para a redução da tensão arterial.

Fonte! Sciencedaily

Avatar

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Comentários fechados.