O chá reduz o cortisol

chá reduz cortisolO chá, que provém da planta Camellia sinensis, é a bebida mais consumida no mundo a seguir à água (1) estando o seu consumo associado a uma maior longevidade e menor risco de várias doenças(2).

Para além de poteniar a termogénese e promover melhorias ao nível da composição corporal,(3) , o chá verde também parece reduzir o stress(4) e os níveis de cortisol(1).

O cortisol é uma hormona  essencial para a homeostase e desempenha tem um papel-chave na regulação dos níveis de glicose e na mobilização das reservas energética. Assim, a deficiência de cortisol pode traduzir-se em hipoglicemia, tonturas, fraqueza, etc.

Por outro lado, níveis excessivos de cortisol levam ao aumento da pressão arterial, da gordura visceral, da resistência à insulina(1) e do catabolismo proteico(5).

Os níveis de cortisol também são regulados pela enzima 11β-hidroxisteróide desidrogenase, sendo a isoenzima 11β-HSD1 a responsável por converter a cortisona em cortisol(1).

11

O estudo

Os principais componentes ativos do chá são um grupo de polifenóis da família das catequinas, principalmente a epigalocatequina galato (EGCG), catequina, eipicatequina, epigalocatequina e epicatequina galato.(6)

Vários investigadores sugeriram a inibição da 11β-HSD1 como uma potencial estratégia terapêutica no combate à síndrome metabólica, diabetes e outras doenças (1).

Por esse motivo, um estudo testou o potencial efeito inibidor de três tipos de chá (chá verde, chá preto e chá branco) na enzima 11β-HSD1, presente em microssomas do fígado humano e detetou a existência de várias catequinas que inibem a atividade desta enzima, reduzindo assim os níveis de cortisol ativo.(5)chá verde cortisol

Tal como pode ver na tabela acima, todos os 3 tipos de chá inibiram a conversão de cortisona em cortisol, com doses mais elevadas a terem um efeito mais pronunciado, mas o chá-verde foi o que teve um efeito inibitório mais potente(5).

Isso parece dever-se ao facto do chá verde ter uma maior concentração de compostos fenólicos (incluindo catequinas), que são oxidados por enzimas durante os processos de oxidação a que são sujeitos o chá preto e o chá branco(1).

Das 5 catequinas testadas, a que teve um efeito redutor mais pronunciado foi a epigalocatequina galato, seguida da galocatequinta(1).

chá catequinas cortisolA epigalocatequina galato é a catequina que está presente em maiores quantidades no chá(7) e parece atuar ligando-se ao local activo da enzima 11β-HSD1, bloqueando assim a sua actividade.(1).

Os investigadores concluíram:

Nós demonstramos que os extratos aquosos do chá são capazes de inibir a formação de cortisol pela enzima 11β-HSD1. A partir dos vários constituintes do chá, a epigalocatequina galato, principal composto fenólico, poderia ser identificado como o mais potente inibidor da 11β-HSD1 humana(1).

 Nota: Antes de começar a ingerir quantidades industriais de chá verde, fique a saber que vários estudos realizados em ratos sugerem que o chá verde também reduz os níveis plasmáticos de hormona leutinizante e de testosterona, de forma dependente da dose(8), reduzindo ainda a produção de testosterona pelas células Leydig, sendo que a principal responsável também parece ser a epigalocatequina galato(9).

Não encontrei estudos realizados em seres humanos que comprovem estes efeitos supressores da testosterona do chá-verde, mas entretanto, e tal como acontece em relação a outros alimentos e bebidas, aconselha-se moderação no consumo desta bebida.

Clique para mostrar/ocultar as referências

  1. Hintzpeter J, Stapelfeld C, Loerz C, Martin HJ, Maser E. Green tea and one of its constituents, Epigallocatechine-3-gallate, are potent inhibitors of human 11beta-hydroxysteroid dehydrogenase type 1. PloS one. 2014; 9(1):e84468.
  2. Khan N, Mukhtar H. Tea and health: studies in humans. Current pharmaceutical design. 2013; 19(34):6141-7.
  3. Cardoso GA, Salgado JM, Cesar Mde C, Donado-Pestana CM. The effects of green tea consumption and resistance training on body composition and resting metabolic rate in overweight or obese women. Journal of medicinal food. 2013; 16(2):120-7.
  4. Cooper R, Morre DJ, Morre DM. Medicinal benefits of green tea: Part I. Review of noncancer health benefits. Journal of alternative and complementary medicine (New York, NY). 2005; 11(3):521-8.
  5. Simmons PS, Miles JM, Gerich JE, Haymond MW. Increased proteolysis. An effect of increases in plasma cortisol within the physiologic range. Journal of Clinical Investigation. 1984; 73(2):412-20.
  6. E. J. Green Tea Catechins and Sport Performance. . Boca Raton (FL): CRC Press/Taylor & Francis; 2015.
  7. Suzuki Y, Miyoshi N, Isemura M. Health-promoting effects of green tea. Proceedings of the Japan Academy Series B, Physical and biological sciences. 2012; 88(3):88-101.
  8. Kao YH, Hiipakka RA, Liao S. Modulation of endocrine systems and food intake by green tea epigallocatechin gallate. Endocrinology. 2000; 141(3):980-7.
  9. Figueiroa MS, César Vieira JSB, Leite DS, Filho RCOA, Ferreira F, Gouveia PS, et al. Green tea polyphenols inhibit testosterone production in rat Leydig cells. Asian Journal of Andrology. 2009; 11(3):362-70.