Caminhe pelo menos dois quilómetros por dia para se proteger contra a demência

Existe uma forma que as pessoas nos seus setenta anos podem usar para se protegerem contra as doenças neurológicas associadas ao envelhecimento, como o Alzheimer.

Não custa nada e não prejudica o meio ambiente: uma caminhada diária de dois quilómetros ou mais. Tempo necessário: 30 minutos ou mais.

Vários estudos têm vindo a demonstrar que o exercício físico protege o cérebro. A forma como isso funciona é bastante complexa. O treino de musculação e cardiovascular fortalecem o coração, os vasos sanguíneos e melhoram o fornecimento de sangue para as células do cérebro.

O cérebro controla e dirige os músculos e isso também é “treino” para as células do cérebro. O esforço físico também estimula a produção de factores de crescimento como o BDNF, e em resultado deste, as células do cérebro produzem mais conexões ((sinapses) umas com as outras.

Alguns estudos têm mostrado que os programas de treino ajudam o cérebro de pessoas idosas a crescer, e outros têm mostrado que pessoas que comem uma dieta saudável e realizam muito exercício físico reduzem pela metade a probabilidade de desenvolver Alzheimer.

Essas descobertas são uma verdadeira bomba, já que os livros didácticos ainda afirmam que as pessoas com mais de 60 anos perdem uma percentagem significativa de massa cerebral a cada ano. Mas este processo não é, aparentemente, tão inevitável como os neurologistas pensavam.

Os investigadores da Universidade de Pittsburgh publicaram no jornal “Neurology” os resultados de um estudo epidemiológico onde participaram quase 300 indivíduos com mais de 65 anos. Os investigadores registaram quantos quilómetros os indivíduos andaram a cada dia, e de acordo com suas respostas, dividiram-nos em quatro grupos de dimensão aproximadamente igual.

As pessoas do grupo Q1 não caminharam de todo, ou só o fizeram durante alguns minutos, as pessoas do grupo Q2 caminharam um pouco mais, aqueles no grupo Q3 caminharam ainda um pouco mais, e aqueles no grupo Q4 caminharam 2-8 km por dia, demorando entre 30 minutos a 2 horas para o fazer.

Nove anos mais tarde, os investigadores realizaram análises (scans) dos seus voluntários seniores. Estes mostraram que o giro precentral, a área motora suplementar [nº 5 na figura abaixo], o lóbulo quadrado e o hipocampo tinham uma maior dimensão do que nos outros grupos.

Estimativa do volume da área motora suplementar.
Estimativa do volume do Hipocampo.

Embora os investigadores não tenham conseguido demonstrar que os membros do grupo Q4 funcionavam melhor em termos mentais, eles assumem que o exercício físico protege o cérebro contra o envelhecimento. Os médicos de família e profissionais de saúde aconselham a prática de meia hora de exercício por dia. Segundo este estudo, esta seria uma indicação mínima para ter algum efeito no cérebro. A realização de menos tempo de exercício não tem efeito.

E em relação a caminhar mais do que 2km/30 minutos? Provavelmente terá um efeito protector ainda maior.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Comentários fechados.