As algas Kelp têm um efeito anti-estrogénico

O Kelp – de nome científico “Fucus vesiculosus” – possui um efeito anti-estrogénico. Certas substâncias encontradas no kelp, atrasam a produção do estradiol no organismo e sabota o funcionamento do receptor do estradiol.

Investigadores da Universidade da Califórnia em Berkeley, repararam no efeito anti-estrogénico do kelp, quando testaram uma teoria alternativa acerca do facto de muitas poucas mulheres japonesas desenvolverem cancro de mama, do útero e dos ovários. Esses tipos de cancro são causados pelo estradiol. A teoria convencional é que, o elevado consumo de soja, um alimento com (suposto) efeito anti-estrogénico, protege as mulheres japonesas do cancros relacionados com o estradiol.

No entanto, os investigadores tinham uma teoria diferente. Os japoneses ingerem entre 3 a 13 gramas de algas por dia. Isso levou os americanos a questionarem-se se as algas também possuem um efeito anti-estrogénico.

Realizaram uma experiência simples, na qual ratos fêmea receberam 175 ou 350 mgs de algas por kg de peso corporal, por dia. A dose mais elevada foi a mais eficiente e reduziu a concentração de estradiol nos ratos em quase 40%. O gráfico abaixo mostra isso.

E porque os investigadores queriam compreender o mecanismo através do qual o Kelp reduz os níveis de estradiol, expuseram células humanas dos ovários – tecnicamente falando, células granulosas leutinizantes – a diferentes concentrações de Kelp. As células produzem pequenas quantidades de testosterona, estradiol e progesterona. Os investigadores descobriram que, quanto maior a concentração de Kelp, menos estradiol as células produziam. A produção de progesterona aumentou ligeiramente.

Tabela 1

Os investigadores queriam saber mais acerca de como funciona o processo, por isso realizaram outra experiência. Em tubos de teste, testaram se certas substâncias que se encontram no kelp eram capazes de sabotar os receptores do estradiol e progesterona. E sim, conseguiram descobrir, veja aqui em baixo.

Tabela 2

O Kelp contém muitos polifenóis, fucóidinas e cadeias de açúcar sulfatadas. Os investigadores ainda não sabem ao certo qual destes componentes  é o responsável pelo efeito anti-estrogénico.

Outros suplementos que também possuem um efeito anti-estrogénico são, o ginkgo biloba, óleo de peixe, vitamina D, chá verde e ácido gamma-linoleico. De acordo com investigadores do departamento de agricultura dos EUA, os cogumelos também possuem um efeito anti-estrogénico.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Deixe um comentário