O ácido D-aspártico funciona?

O ácido D-aspártico, mais conhecido por D-aspartic acid (DAA), é desde há vários anos um dos suplementos mais populares e consumidos dentro da categoria dos suplementos potenciadores de testosterona.

É possível adquirir este suplemento na sua forma isolada, mas também em fórmulas que o combinam com vários outros minerais, vitaminas e ervas, tais como o zinco, magnésio, vitamina D3, tribulus aratus, maca, etc.

Apesar de ainda não ter sido realizado um número significativo de estudos que tenham analisado este suplemento, especialmente em atletas, aqui está o que sabemos atualmente acerca do ácido d aspártico

O que é o ácido d aspártico?

O ácido d-aspártico é um derivado do ácido aspártico, que é um aminoácido não essencial.

Faz parte da constituição da cartilagem, do enamel, das membranas dos glóbulos vermelhos e pode acumular-se no cérebro, onde atua como molécula sinalizadora, sendo especialmente ativo na glândula pituitária e pineal (1, 2).

Como funciona o ácido d aspártico?

O ácido d aspártico é um aminoácido regulador da síntese de proteína e pode atuar num receptor estimulador (NMDA)

O ácido d aspártico pode provocar um aumento da libertação de hormonas a partir do cérebro, tais como a LH (hormona leutinizante), a FSH (hormona folículo-estimulante) e da hormona de crescimento.

Por sua vez, a maior secreção de hormona leutinizante a partir do hipotálamo promove uma maior síntese de testosterona a partir dos testículos (3).

O ácido d aspártico funciona?

Felizmente, e uma vez que vivemos numa era em que temos acesso mais fácil e rápido à informação científica, também temos a possibilidade de aceder e analisar os poucos estudos que já foram realizados acerca do ácido d-aspártico.

D-Aspartic AcidAumento dos níveis de testosterona: Um estudo realizado por investigadores italianos verificou que o consumo de 2.66 gramas por dia de ácido d aspártico, durante 90 dias, aumentou em 30 a 60% os níveis de LH e de testosterona em homens inférteis.

A suplementação com ácido d-aspártico também aumentou de forma significativa a concentração e a mobilidade dos espermatozoides (4).

Em indivíduos normais, este suplemento também pode proporcionar um aumento dos níveis de testosterona, acima dos níveis normais, mas apenas de forma temporária. Esse aumento parece ter a duração de apenas 7 a 11 dias, sendo que os níveis retornam aos seus valores normais após esse período de tempo (5).

Hipertrofia e força: Se pretende obter maiores ganhos de força e de massa muscular com este suplemento, então é muito provável que vá ficar desiludido com este suplemento.

Um estudo verificou que a suplementação com 3 gramas de ácido d-aspártico num grupo de atletas experientes durante 28 dias, não aumentou o nível de força, nem de massa muscular, de forma significativa (5). Isto mesmo apesar de terem obtido um aumento temporário dos níveis de testosterona com o consumo de ácido d-aspártico.

Conclusão

O ácido d aspártico parece ser útil sobretudo para os indivíduos que sofrem de hipogonadismo ou que por vários motivos se encontram com os níveis naturais de testosterona abaixo do normal, tal como acontece nos indivíduos que cessam o uso de testosterona exógena ou de seus derivados.

Nesse contexto, este suplemento poderá proporcionar um aumento significativo da produção de testosterona natural, que por sua vez poderá permitir a obtenção de níveis normais de testosterona.

Assim sendo, é pouco provável que os indivíduos que têm a testosterona a níveis normais possam obter níveis muito mais elevados de testosterona, e/ou um aumento da força e massa muscular, com a suplementação com ácido d-aspártico.

Em termos de segurança, acredito que pode ficar descansado em relação ao consumo deste suplemento, pois num dos estudos que referimos neste artigo, os investigadores administraram 2.66 gramas de ácido d-aspártico a um grupo de homens com problemas de fertilidade, durante 90 dias.

No decorrer desse estudo, os investigadores mediram os níveis de eletrólitos, enzimas do fígado, de glicose, ureia, creatinina e o funcionamento dos glóbulos vermelhos e brancos, e não detetaram quaisquer irregularidades (6).

Caso esteja decidido a experimentar este suplemento, fique a saber que a ingestão recomendada é de 2 a 3 gramas por dia.

Nutricionista (CP: 4100N) no Moreirense Futebol Clube. É licenciado em nutrição pela FCNAUP, e é também doutorando em Ciências do Consumo Alimentar e Nutrição, na mesma faculdade.

Deixe um comentário

Siga-nos por Email
RSS
Instagram