A suplementação com creatina diminui os danos no ADN

A suplementação com creatina diminui os danos oxidativos no ADN e diminui a peroxização dos lípidos induzida por uma sessão de treino de musculação (Creatine supplementation decreases oxidative DNA damage and lipid peroxidation induced by a single bout of resistance exercise) Este é o título do estudo realizado.

A creatina (Cr), ou ácido metil guanidina-acético, pode ser ingerida a partir de fontes exógenas, como o peixe ou carne, ou produzida de forma endógena pelo organismo, principalmente no fígado.  Trata-se de um composto extremamente bem conhecido no mundo da musculação e desporto, e é usado como um auxílio ergogénico para melhorar a massa muscular, força e resistência.

Até então, já tinham sido realizados estudos que provam os efeitos terapêuticos benéficos em várias doenças relacionadas com o stress oxidativo e, mais recentemente, também foi demonstrado que a creatina exerce efeitos antioxidantes directos.

Portanto, o objectivo deste estudo foi investigar os efeitos de um treino de musculação intenso (RE) na resposta oxidativa ao stress e os danos oxidativos ao ADN em atletas do sexo masculino, e se a suplementação com creatina poderia negar as diferenças observadas.

Para o efeito, foram recrutados vinte e sete atletas de musculação, que foram posterioremente divididos de forma aleatória num grupo de suplementação de creatina (o grupo Cr [21.6 6 3.6 anos], em que ingeriram 4 x 5 g de monohidrato de creatina por dia) ou num grupo de suplementação com placebo (PL) em que tomaram 4 x 5 g de maltodextrina por dia). O estudo foi precedido por um período de suplementação de 7 dias.

Antes e após o sétimo dia de suplementação, o indivíduos realizaram um protocolo de treino de musculação (7 séries de 4 exercícios usando 60-90% de uma repetição máxima) seguindo o padrão de carga da pirâmide.

Foram recolhidas amostras de sangue e de urina antes, imediatamente, e 24 horas após o exercício, a partir das quais analisaram os níveis de malondialdeído (MDA) no plasma sanguíneo e de excreção urinária de 8-hidroxi-2-desoxiguanosina (8 – OHdG).  Antes do período de suplementação, foi observado um aumento significativo da excreção urinária de 8-OHdG e níveis plasmáticos de MDA após o treino de musculação.

A suplementação com monohidrato de creatina induziu um aumento significativo do desempenho atlético, e atenuou as mudanças observadas na excreção urinária de 8-OHdG e níveis plasmáticos de MDA. Estes resultados indicam que a suplementação com creatina reduziu os danos oxidativos ao ADN e a peroxidação dos lípidos induzida por um treino de musculação.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.