A hormona de crescimento endógena mantém jovens os atletas mais velhos

Se tem cerca de 45 anos e faz exercício todos os dias, então, irá provavelmente, produzir tanta hormona de crescimento rejuvenescedora como se tivesse cerca de 25 anos.

Segundo investigadores da Universidade de Parma, praticar exercício atrasa o processo de envelhecimento.

A hormona de crescimento estimula a recuperação de tecidos corporais, tais como as fibras musculares, ossos, pele e articulações. Para além disso a hormona de crescimento estimula a utilização da gordura. Quanto mais velho se tornar, menos hormona de crescimento irá ser segregada pela glândula pituitária do cérebro.

Os investigadores pensam que esta diminuição da libertação da hormona de crescimento dá início a uma série de processos de envelhecimento, tais como a osteoporose e o enfraquecimento dos músculos e articulações. As hormonas sintéticas, ainda são uma forma muito popular de tentar diminuir o processo de envelhecimento, mas vários estudos demonstraram que têm aspectos negativos. É por esse motivo que os italianos estão á procura de uma forma natural de manter a um nível alto, a produção natural de hormona de crescimento na velhice.

Os atletas produzem mais hormona de crescimento após o exercício físico. Também produzimos mais hormona de crescimento enquanto dormimos, mas nos adultos, este pico não é tão elevado como o pico de libertação de hormona de crescimento que é libertado após o exercício.

Portanto, será que os atletas idosos, devido á pratica regular de exercício, mantêm uma produção natural de hormona de crescimento equivale á dos jovens? Essa é a questão a que os italianos queriam ver respondida no estudo que publicaram na edição de Abril da “Maturitas”.

Os investigadores colocaram 40 mulheres a treinar numa bicicleta estática durante 20 minutos. Os investigadores aumentaram gradualmente a resistência da bicicleta, e as mulheres tinham de pedalar até não serem capazes de movimentar os pedais. Os investigadores mediram o nível da hormona de crescimento no sangue das mulheres durante a experiência.

Dez das mulheres, tinham entre 26 a 30 anos e não praticavam desporto de forma regular [na figura abaixo: os círculos negros].  Outras 10 mulheres também tinham entre 26 a 30 anos, mas correram 25 km por semana [círculos brancos] Outras das 10 mulheres tinham entre 42 a 46 anos e não realizaram exercício, mas tinham estado a correr 25 km por semana nos últimos 8 anos [círculos brancos]

Tabela 1

Os investigadores concluíram que, se tem menos de 30 anos, então o treino não influencia a sua produção de hormona de crescimento. Após uma secção de treino, a hormona de crescimento dos sujeitos aumentou por um factor de 7.5 – fossem ou não praticantes regulares de exercício.

15 anos mais tarde, a história já é diferente. Nessa idade a diferença aumentou entre os atletas e os não-atletas. Para os sujeitos nos seus 40 anos, com um estilo de vida sedentário, o nível de hormona de crescimento após o treino sobe por um factor máximo de 4.4. Mas o nível de crescimento dos indivíduos nos seus 40, que praticam exercício de forma regular, reage da mesma forma que os indivíduos nos seus 20 anos.

Os investigadores pensam que á medida que envelhecemos, o organismo começa a produzir hormonas que inibem a libertação da hormona de crescimento, como a somastatina. A prática regular de exercício poderia inibir a produção dessas hormonas. Desta forma, poderíamos evitar os processos de envelhecimento relacionados com a deficiência da hormona de crescimento.

Referência! 

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.