A hidroxipropilmetilcelulose reduz a massa gorda, mas potencia o desenvolvimento muscular

Um produto que a indústria alimentar tem vindo a usar desde há anos como agente de enchimento e gelificante é, de acordo com investigadores americanos, um agente de recomposição corporal.

Eles irão publicar em breve os resultados de seu estudo realizado em animais, no qual as suas afirmações se baseiam, no jornal “Obesity”.

Os americanos trabalham na Universidade de Minnesota, e com o produtor de suplementos Imagenetix. Por isso, talvez este estudo não venha a desaparecer numa biblioteca, e possa vir a estimular o desenvolvimento de novos produtos de emagrecimento. Este pode muito bem ser o caso, dado que uma pesquisa recente mostrou que a hidroxipropilmetilcelulose (HPMC) é cem por cento segura.

A Hidroxipropilmetilcelulose, ou E464, por vezes é também chamada de hipromelose. Os fabricantes produzem esta substância a partir da celulose. É um dos ingredientes presente em muitos medicamentos. A HPMC dissolve-se no estômago e forma um gel viscoso.

Isso atrasa a velocidade com que os medicamentos passam através do intestino, aumentando assim a absorção dos ingredientes activos presentes no medicamento. Desta forma, se colocar um aminoácido num comprimido que contenha HPMC, acabou de criar um suplemento de libertação retardada. É tão simples como isso.

As propriedades de formação de gel também tornam a HPMC interessante para os fabricantes da industria alimentar que fazem barras (de chocolate, cereais, etc), por exemplo.

Em 2010, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar rejeitou um pedido de uma empresa que queria acrescentar HPMC a produtos que estimulam os intestinos.

Os investigadores americanos estavam curiosos para saber se é possível adicionar HPMC a produtos para emagrecer. Têm vindo a ser realizadas muitas pesquisas sobre os efeitos de emagrecimento de muitos tipos de fibra, sendo que a vasta maioria obteve resultados pouco positivos, mas a HPMC nunca tinha sido estudado antes.

Os investigadores administraram a metade de um grupo de ratos, alimentos contendo 5 por cento de HPMC para um período de seis semanas. Um grupo de controlo recebeu alimentos que consistiam em 5 por cento de celulose.

O peso dos ratos no grupo de HPMC aumentou mais de forma lenta do que o peso dos ratos do grupo de celulose. A fibra solúvel provocou uma diminuição da massa gorda e – ainda mais interessante – um aumento da massa corporal magra.

Tabela 1
Tabela 2
Tabela 3

O HPMC potenciou a atividade do AMPK nos músculos. O AMPK é um sensor que indica às células que têm de “queimar” mais gordura, dar mais prioridade aos processos de reparação e absorver mais glucose do sangue.

O estudo não revela exactamente como é que o HPMC funciona; o mecanismo de acção ainda é desconhecido. Os investigadores afirmam que têm de ser realizados Mais estudos e de mais longa duração.

Referência!

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.

Deixe um comentário