8 erros dietéticos que o fazem recuperar o peso das dietas

Claramente, temos um problema de obesidade em Portugal, no Brasil e em muitos outros países em todo o nosso planeta. No entanto, proponho que nos dias de hoje não temos um problema de perda de peso.

No caso de você estar confuso com esta aparente contradição, considere as seguintes estatísticas:

  1. Segundo um estudo da Universidade de Oxford publicado no “International Journal of Obesity”, dentro de 3 a 5 anos, cerca de 80 por cento dos “perdedores de peso” terão recuperado o peso perdido e, muitas vezes ganham um pouco de peso extra.
  2. De acordo com pesquisa realizada pela “National Weight Control Registry”, a taxa de recaída pode chegar aos 95%.
  3. Para efeito de comparação, as taxas de recaída para o álcool de drogas e dependência do tabaco têm-se situado na faixa dos 50-90%.

Isto significa que muitas e muitas pessoas perderam peso, mas poucas mantiveram os quilos extra afastados. Portanto, não temos um problema de perda de peso, temos um problema de recaída de peso, temos um problema de “não permanecer sem ele”, não concorda?

De fato, a perda e a posterior recuperação do peso geralmente não leva anos. Muitas pessoas abandonam as suas resoluções de Ano Novo dentro de poucas semanas. Pela altura do Carnaval, a dieta já é uma história antiga!

Se isto é verdade, então não deveríamos colocar mais da nossa atenção em descobrir por que motivo você tem permanecido no seu programa, e o que você deve fazer sobre isso? É por isso que eu elaborei a lista dos 8 maiores erros que o fazem recuperar os quilos de volta.

Esta não é a sua lista típica de erros de perda de peso, repleta de dicas alimentares falsas.

Ao invés de se preocupar com as minúcias do seu plano dietético, como se você deveria seguir uma dieta baixa ou alta em carboidratos, a dieta do Mediterrâneo ou de Okinawa, vegetariana ou uma dieta rica em carne, proponho que se você simplesmente se concentre nestas oito questões. Desta forma, você irá começar a obter resultados mais duradouros.

Como? Ao ser capaz de permanecer em qualquer plano que você decida que é o melhor para si! Afinal, mesmo que no papel você tenha o melhor programa alimentar do mundo, isso não lhe servirá de nada se não o conseguir seguir.

  •  Nenhum objectivo: Não definiu metas, não colocou as suas metas por escrito, e não manteve os seus objectivos diariamente na sua mente (lendo-os, afirmando-os, mentalizando-se, etc.)
  • Nenhuma prioridade: Pode ter definido uma meta, mas não a colocou no topo da sua lista de prioridades. Por exemplo, o seu objectivo era obter uma barriga lisa, mas beber cerveja e comer fast food ao fim de semana foi uma prioridade mais importante na sua lista de prioridades do que obter uma barriga lisa.
  • Nenhum sistema de apoio: Tentou fazer isso sozinho, sem nenhum tipo de apoio, sem parceiros de treino, família, cônjuge, amigos, mentores e treinadores a quem pedir informações e apoio emocional quando as coisas se tornam difíceis.
  • Nenhuma responsabilidade: Não manteve um registo da sua responsabilidade – com um gráfico de progressos, registo do peso, medidas, diário alimentar, diário de treino, e não configurou a responsabilidade externa (relatório para alguém ou mostrar os seus resultados a outra pessoa).
  • Sem paciência: Estava a pensar apenas a curto prazo e a ter expectativas irrealistas. Você esperava perder 5, 3 ou 2 quilos por semana, mas na primeira semana você perdeu “apenas” 1 ou meio quilo ou 2, ou simplesmente ficou bloqueado em termos de perda de peso e depois desistiu.
  • Falta de planificação: Não se preparou. Entrou no ginásio sem ter um plano de treino nas mãos, escrito no papel, você não planeou os exercícios na sua programação semanal, você não tinha um diário de treino para registar os dados, você não reservou algum tempo para planear as coisas (em vez disso deu desculpas como “não tenho tempo”).
  • Nenhum equilíbrio: A sua dieta ou programa de treino foi demasiado radical. Você seguiu a filosofia do “tudo ou nada “, “eu quero agora” em vez de uma filosofia mais moderada, com um percurso de perda de peso mais lenta e consistente.
  • Falta de personalização: A sua alimentação ou programa de treino não eram os mais adequados para si. Poderá ter funcionado noutra pessoa, mas não se adequa ao seu horário, à sua personalidade, disposição, ou tipo de corpo.

Você é culpado de qualquer uma dessas transgressões? Se assim for, as soluções são simples e claras: foque-se, defina prioridade, procure apoio, seja responsável, seja paciente, planifique e personalize.

Prática de musculação baseada em evidência científica. Siga-nos através das redes sociais.