13 estratégias fáceis que podem ajudar a controlar o apetite

perder peso

Perder peso é difícil, mas o verdadeiro desafio é manter a perda de peso a longo prazo, sendo que, ao longo do tempo, a maior parte dos indivíduos irá recuperar o peso perdido(1).

Na ausência de esforços para restringir a ingestão alimentar após a perda de peso, irá ocorrer um aumento da ingestão alimentar que se fará acompanhar por uma recuperação do peso perdido(2).

Por exemplo, verificou-se que o apetite aumenta em cerca de 100 kcal/dia acima da linha de base por cada kg de peso perdido, o que representa um desafio na perda de peso(2).

Apesar disso, existem estratégias alimentares que podem ajudar a perder peso ou a evitar o reganho do peso perdido:

Opte por alimentos com baixa densidade energética

alimentos baixa densidade energética

A densidade energética dos alimentos é definida pelo teor energético (em Kcal) por unidade de peso (g ou 100g) e foi demonstrado que a ingestão de alimentos com uma elevada densidade energética aumenta a ingestão de energia e promove o ganho de peso comparativamente a alimentos com baixa densidade energética (ex. frutas, vegetais, cereais integrais)(3).

Verificou-se ainda que o consumo de uma maior proporção de energia a partir dos vegetais, parece promover uma maior perda de peso e reduzir o risco de ganho de peso(4).

Assim, dar preferência a alimentos de baixa densidade energética é uma forma simples, mas eficiente de controlar o peso nos indivíduos com obesidade que pretendem perder peso e as estratégias dietéticas baseadas na densidade energética dos alimentos mostram forte evidência de que podem reduzir o peso corporal e prevenir a recuperação do peso perdido(3).

De facto, vários estudos demonstraram que a quantidade total de comida é o principal fator que influencia a saciedade e que a ingestão de alimentos com baixa densidade energética conduz a uma redução da ingestão de energia em indivíduos obesos(3).

Tome o pequeno-almoço de forma regular

Ingerir uma maior quantidade de calorias ao pequeno-almoço, comparativamente à sua ingestão ao jantar parece reduzir o risco de excesso de peso(2, 5).

Para além disso, “saltar” o pequeno-almoço associa-se a um maior risco de obesidade(6).

Aumente a ingestão de fibra

Alguns trabalhos sugerem que o aumento da ingestão de fibra reduz o risco de ganho de peso e de gordura, sendo que a fibra parece ajudar a reduzir a ingestão de energia ao longo do tempo(7-10).

As fibras dietéticas baixam a densidade energética dos alimentos uma vez que não são absorvidas no intestino delgado. A mastigação de alimentos ricos em fibra requer mais tempo e esforço o que promove uma maior sensação de saciedade(11, 12).

Uma vez que as fibras viscosas absorvem grandes quantidades de água, também provocam distensão do estômago e atrasam o esvaziamento gástrico, o que também promove uma maior saciedade(11, 12).

Ingira 0,5l de água antes das refeições

Começar por ingerir cerca ½ litro de água, 30 minutos antes ou imediatamente antes de iniciar as refeições, pode efetivamente aumentar a saciedade, reduzir a fome e verificou-se que pode reduzir a ingestão de energia em cerca de 13% a 22%, podendo constituir uma estratégia simples e eficiente no controlo do peso(13, 14).

Aumente a ingestão diária de água

beber água reduz apetite

Alguma da literatura científica existente oferece suporte a esta estratégia como forma de potenciar a perda de peso. Entre os mecanismos que podem ajudar a explicar a eficácia desta medida temos um aumento do metabolismo, que poderá potenciar a lipólise(15).

Por outro lado, a desidratação crónica, juntamente com o consequente aumento dos níveis de angiotensina II, associa-se a aumento do risco de obesidade e de outras doenças como diabetes, cancro e doenças cardiovasculares(15).

Comece por comer a sopa

Iniciar a refeição com a ingestão de uma sopa pouco densa em calorias pode permitir uma redução de cerca de 20% do valor energético total da refeição em comparação com a não ingestão de sopa(16, 17).

Para além disso, esta estratégia também poderá permitirá assegurar e aumentar a ingestão de vegetais(16, 17).

Siga uma dieta rica em proteína

Várias meta-análises demonstraram que a ingestão de uma dose elevada de proteína (1,2 a 1,6g/Kg de peso corporal), com pelo menos cerca de 25 a 30 g de proteína por refeição proporciona uma maior perda de peso, de massa gorda, da cintura e também permite preservar uma maior quantidade de massa magra, durante dietas para perda de peso(18, 19).

Para além disso as refeições ricas em proteína também reduzem o apetite e promovem uma maior sensação de saciedade(18, 19).

Ingera lacticínios

Uma meta-análise recente concluiu que a ingestão de mais de 500 ml de lacticínios por dia pode aumentar a saciedade, o que poderá estar relacionado com o seu teor de proteína whey e caseína(20).

Opte pelos alimentos com maior índice de saciedade

A ingestão de diferentes alimentos pode ter efeitos diferentes na saciedade mesmo ingerindo uma quantidade que fornece a mesma quantidade de energia.

De uma forma geral, verifica-se que os alimentos com teor mais elevado de proteína, fibra e água são os que mais saciam o apetite(21).

Mais especificamente, dentro de cada categoria, verificou-se que, as batatas cozidas, o peixe, as papas de aveia, a laranja e as pipocas foram os alimentos que obtiveram um índice de saciedade mais elevado e a sua ingestão de alimentos mais saciantes pode ajudar na prevenção e tratamento do excesso de peso e obesidade(21).

Opte por alimentos minimamente processados

Os resultados de um estudo recente sugerem que, quanto mais processado for um alimento, maior será a resposta glicémica e mais baixo será o seu potencial de saciedade(22).

Assim, recomenda-se a ingestão de alimentos minimamente processados, por estes serem mais saciantes, em detrimentos de alimentos mais processados, de origem industrial(22).

Coma devagar

A ingestão rápida de comida está associada a uma maior circunferência de cintura e a um índice de massa curoporal mais elevado (IMC)(23, 24). Para além disso, uma ingestão lenta pode reduzir a ingestão energética numa determinada refeição e diminuir a sensação de fome 60 minutos após o início de uma refeição(25).

Portanto, recomenda-se que os alimentos sejam sempre bem mastigados e que a sua ingestão seja feita de forma lenta(23).

Evite o aborrecimento

Vários estudos sugerem que tendemos a optar mais por opções menos saudáveis quando estamos aborrecidos(26).

Uma teoria sugere que o aborrecimento associa-se a níveis mais reduzidos de dopamina e que as pessoas tentam compensar esses níveis mais baixos através da ingestão de alimentos ricos em açúcar e gordura(26).

Conclusão

Estas estratégias alimentares são relativamente fáceis de implementar e, embora nem todos os estudos suportem a sua eficácia, é bastante provável que a adoção de algumas destas estratégias possa proporcionar uma melhoria do controlo do peso.

Apesar disso e para melhores resultados, não hesite em consultar um nutricionista, de forma a obter aconselhamento nutricional especializado e um plano alimentar nutricionalmente equilibrado e adequado às suas características individuais.

Clique para mostrar/ocultar as referências

  1. Montesi L, El Ghoch M, Brodosi L, Calugi S, Marchesini G, Dalle Grave R. Long-term weight loss maintenance for obesity: a multidisciplinary approach. Diabetes, Metabolic Syndrome and Obesity: Targets and Therapy. 2016; 9:37-46.
  2. David P, Arjun S, J. SR, D. HK. How Strongly Does Appetite Counter Weight Loss? Quantification of the Feedback Control of Human Energy Intake. Obesity. 2016; 24(11):2289-95.
  3. Stelmach-Mardas M, Rodacki T, Dobrowolska-Iwanek J, Brzozowska A, Walkowiak J, Wojtanowska-Krosniak A, et al. Link between Food Energy Density and Body Weight Changes in Obese Adults. Nutrients. 2016; 8(4):229.
  4. Tapsell LC, Batterham MJ, Thorne RL, O’Shea JE, Grafenauer SJ, Probst YC. Weight loss effects from vegetable intake: a 12-month randomised controlled trial. European journal of clinical nutrition. 2014; 68(7):778-85.
  5. Jakubowicz D, Barnea M, Wainstein J, Froy O. High caloric intake at breakfast vs. dinner differentially influences weight loss of overweight and obese women. Obesity (Silver Spring, Md). 2013; 21(12):2504-12.
  6. Otaki N, Obayashi K, Saeki K, Kitagawa M, Tone N, Kurumatani N. Relationship between Breakfast Skipping and Obesity among Elderly: Cross-Sectional Analysis of the HEIJO-KYO Study. The journal of nutrition, health & aging. 2017; 21(5):501-04.
  7. Ramage S, Farmer A, Eccles KA, McCargar L. Healthy strategies for successful weight loss and weight maintenance: a systematic review. Applied physiology, nutrition, and metabolism = Physiologie appliquee, nutrition et metabolisme. 2014; 39(1):1-20.
  8. Soeliman FA, Azadbakht L. Weight loss maintenance: A review on dietary related strategies. Journal of research in medical sciences : the official journal of Isfahan University of Medical Sciences. 2014; 19(3):268-75.
  9. Tucker LA, Thomas KS. Increasing Total Fiber Intake Reduces Risk of Weight and Fat Gains in Women. The Journal of Nutrition. 2009; 139(3):576-81.
  10. Ryttig KR, Tellnes G, Haegh L, Boe E, Fagerthun H. A dietary fibre supplement and weight maintenance after weight reduction: a randomized, double-blind, placebo-controlled long-term trial. International journal of obesity. 1989; 13(2):165-71.
  11. Kristensen M, Jensen MG. Dietary fibres in the regulation of appetite and food intake. Importance of viscosity. Appetite. 2011; 56(1):65-70.
  12. Wanders AJ, van den Borne JJ, de Graaf C, Hulshof T, Jonathan MC, Kristensen M, et al. Effects of dietary fibre on subjective appetite, energy intake and body weight: a systematic review of randomized controlled trials. Obesity reviews : an official journal of the International Association for the Study of Obesity. 2011; 12(9):724-39.
  13. Davy BM, Dennis EA, Dengo AL, Wilson KL, Davy KP. Water consumption reduces energy intake at a breakfast meal in obese older adults. Journal of the American Dietetic Association. 2008; 108(7):1236-9.
  14. Corney RA, Sunderland C, James LJ. Immediate pre-meal water ingestion decreases voluntary food intake in lean young males. European journal of nutrition. 2016; 55(2):815-19.
  15. Thornton SN. Increased Hydration Can Be Associated with Weight Loss. Frontiers in Nutrition. 2016; 3:18.
  16. Flood JE, Rolls BJ. Soup preloads in a variety of forms reduce meal energy intake. Appetite. 2007; 49(3):626-34.
  17. Spill MK, Birch LL, Roe LS, Rolls BJ. Serving large portions of vegetable soup at the start of a meal affected children’s energy and vegetable intake. Appetite. 2011; 57(1):213-9.
  18. Leidy HJ, Clifton PM, Astrup A, Wycherley TP, Westerterp-Plantenga MS, Luscombe-Marsh ND, et al. The role of protein in weight loss and maintenance. The American journal of clinical nutrition. 2015
  19. Mollahosseini M, Shab-Bidar S, Rahimi MH, Djafarian K. Effect of whey protein supplementation on long and short term appetite: A meta-analysis of randomized controlled trials. Clinical nutrition ESPEN. 2017; 20:34-40.
  20. Onvani S, Haghighatdoost F, Surkan PJ, Azadbakht L. Dairy products, satiety and food intake: A meta-analysis of clinical trials. Clinical nutrition (Edinburgh, Scotland). 2017; 36(2):389-98.
  21. Holt SH, Miller JC, Petocz P, Farmakalidis E. A satiety index of common foods. European journal of clinical nutrition. 1995; 49(9):675-90.
  22. Fardet A. Minimally processed foods are more satiating and less hyperglycemic than ultra-processed foods: a preliminary study with 98 ready-to-eat foods. Food & function. 2016; 7(5):2338-46.
  23. Sonoda C, Fukuda H, Kitamura M, Hayashida H, Kawashita Y, Furugen R, et al. Associations among Obesity, Eating Speed, and Oral Health. Obesity facts. 2018; 11(2):165-75.
  24. Hurst Y, Fukuda H. Effects of changes in eating speed on obesity in patients with diabetes: a secondary analysis of longitudinal health check-up data. BMJ open. 2018; 8(1):e019589.
  25. Shah M, Copeland J, Dart L, Adams-Huet B, James A, Rhea D. Slower eating speed lowers energy intake in normal-weight but not overweight/obese subjects. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics. 2014; 114(3):393-402.
  26. Moynihan AB, van Tilburg WAP, Igou ER, Wisman A, Donnelly AE, Mulcaire JB. Eaten up by boredom: consuming food to escape awareness of the bored self. Frontiers in Psychology. 2015; 6:369.