Se dói, não o faça

Se dói, não o façaApesar de eu não ser fisioterapeuta, é frequente colocarem-me perguntas sobre reabilitação, sobretudo por atletas ou praticantes de musculação que se lesionaram ou que têm receio que algum exercício seja perigoso ou que lhes possa provocar lesões.

Se tem uma lesão ou se está com dúvidas de que um determinado exercício é ou não apropriado para si, coloque a si mesmo uma questão muito simples: “Dói?”

A questão aqui é que a pergunta “Dói?” só pode ser respondida de duas formas, sim ou não. Se responder sim, então não está preparado para realizar esse exercício, por muito que possa gostar dele.

É simples, certo?

Na realidade não. Eu digo a todas as pessoas com quem falo que qualquer “mas” é um “sim”. Coisas como “mas depois de aquecer a dor desaparece” etc. significa o mesmo que responder “sim”.

É incrível a quantidade de vezes que coloquei esta pergunta às pessoas apenas para as ver a rodear o assunto. Elas querem saber coisas como “E aquele tratamento ou suplemento mágico que ainda não conheço?”,“E aquele exercício  secreto?”.

Na verdade, o segredo é que não existe nenhum segredo. Benjamin Franklin também afirmou que “O senso comum não é assim tão comum”, e essa expressão adequa-se perfeitamente a esses casos.

Se sofreu uma lesão e quer melhorar, use o seu sentido comum. O exercício não deve provocar dores. Isto parece simples, mas muitos atletas e praticantes de musculação ignoram muitas vezes a dor e até a aceitam.

O desconforto é comum no final de uma série de um exercício de musculação ou no final de um treino cardiovascular intenso. Este tipo de desconforto, dor muscular de aparição tardia, ocorre muitas vezes nos dois dias a seguir a uma sessão intensa.

Isto é normal, no entanto este desconforto só deve durar dois dias e deve ser limitada aos músculos e não às articulações ou tendões. A presença de dor no início de um exercício não é normal nem saudável e é um indicador claro da existência de um problema.

A progressão em qualquer exercício de musculação deverá estar baseada na realização da amplitude completa de movimento sem dor, que produz a congestão e “ardor muscular” sem dores nas articulações. Se tem que mudar ou reduzir a amplitude de movimento, isso é um problema.

A progressão no exercício cardiovascular também deve ser livre de dores e deve seguir a regra dos 10%. Não aumente o tempo ou a distância mais do que 10% de uma sessão para a próxima.

Tenho vindo a usar estas regras simples em todos os meus programas de treino e de acondicionamento e tenho sido capaz de manter os atletas saudáveis.

Tenho a certeza que estes conceitos básicos também o poderão ajudar.

 

Escreva um comentário