Para melhores progressos treine com supervisão

Os principiantes do treino de musculação progridem de forma mais rápida se forem supervisionados de forma intensiva, isto segundo o que escreveram cientistas de desporto da Universidade de Brasília, num artigo que será publicado no “Journal of Strength & Conditioning Research”.
O principal efeito dos supervisores é que eles motivam os atletas a treinar com o peso suficiente para proporcionar resultados.

Os resultados dos investigadores brasileiros “não são completamente novos. A pesquisa americana já mostrou que os iniciantes no mundo do treino de musculação têm tendência a treinar com pesos muito leves.

Os pesquisadores do Colégio de Nova Jersey escreveram à 18 meses atrás que, mesmo as mulheres com experiência nesse tipo de treino, obtêm mais progressos se tiverem um treinador pessoal que as incentive a adicionar um pouco mais de peso.[1] O mesmo é verdade para os atletas experientes – nos estudos americanos, os atletas obtêm progressos mais rápidos se tiverem o acompanhamento de um treinador que faça algo em relação à sua preguiça inata. [2,3]

Portanto, não é difícil concluir que os treinadores pessoais também terão um efeito positivo sobre os principiantes, mas nunca ninguém tinha pesquisado o assunto. E foi isso que os brasileiros fizeram no seu estudo. Eles recrutaram dois grupos de uma centena de estudantes do sexo masculino.

Um grupo treinou três vezes por semana num ginásio onde havia um instrutor presente para cada 25 indivíduos [LS]. O outro grupo treinou num ginásio, onde havia um instrutor para cada 5 pessoas [HS]. Segundo os especialistas, a relação ideal entre o número de clientes e de instrutores num ginásio é de 6:01 e de 10:01.

Antes do início da experiência e 11 semanas após o seu início, os pesquisadores registaram o peso máximo com o qual os indivíduos do teste foram capazes de realizar uma repetição no supino e extensões de pernas. Eles notaram que os indivíduos do grupo SH obtiveram mais progressos do que os do grupo LS.

Tabela 1

Tabela 2

Os indivíduos do grupo LS obtiveram um progresso de 1,5 por cento nas extensões de pernas e 10,2 por cento de progresso no supino. Os valores para o grupo HS foram de 11,8 e 15,9 por cento.

A presença dos instrutores não teve nenhum efeito na frequência ou abstenção das pessoas que frequentavam o ginásio. Os participantes, tanto do grupo HS como do LS faltaram ao mesmo número de sessões de treino.

Também não houve diferença no número de séries que os grupos realizaram. O efeito motivador dos instrutores consistiu, sobretudo, no fato de que eles aconselharam os seus formandos a colocar mais peso nos exercícios.

Apesar do efeito dos instrutores nos formandos ser notório neste estudo, ao ler este artigo dos brasileiros, não podemos deixar de nos questionar se este efeito não poderia ter sido ainda maior.

Os investigadores escreveram:

Estima-se que 74,19% dos sujeitos do SH e 36,07% dos indivíduos dos grupos LS treinaram com intensidade máxima no exercício supino. no exercício extensão de pernas, 17,74% dos sujeitos do SH e 9,68% do LS treinaram com repetições máximas.

Referência!

 

Escreva um comentário