Os níveis de testosterona dos homens estão a diminuir

Os níveis de testosterona dos homens estão a diminuirOs níveis de testosterona dos homens em todos os grupos etários têm vindo a cair ao longo das últimas décadas, provavelmente devido a fatores ambientais.Esta é uma informação muito relevante e que levanta preocupações sérias, inclusive para os praticantes de musculação e outros desportistas, pois a testosterona é a hormona que tem maior influência nos níveis de massa muscular e de força/potência.

Como informou a Reuters em 2006:

Um novo estudo descobriu uma queda “substancial” dos níveis de testosterona dos homens norte-americanos desde a década de 1980, mas as razões para o declínio permanecem obscuras. Esta tendência também não parece estar relacionada com a idade. O dr. Thomas Travison e seus colegas do New England Research Institutes em Watertown, Massachusetts descobriram que os níveis médios da hormona masculina decaíram 1% por ano.

Isto significa que, por exemplo, um homem de 65 anos de idade, em 2002, teria níveis de testosterona 15% inferiores aos de um homem de 65 anos em 1987. Isto também significa que uma proporção maior de homens em 2002 teriam os níveis de testosterona abaixo do normal do que em 1987. Travison afirmou:

Pensamos que os níveis de toda a população se estão a deslocar um pouco para baixo. Estamos a contar com outros estudos para confirmar isso.

Travison e a sua equipa analisaram dados do Massachusetts Male Aging, uma investigação a longo prazo do envelhecimento em cerca de 1.700 homens da região de Boston. Os dados dos homens foram recolhidos em três intervalos de tempo: 1987-1989, 1995-1997 e 2002-2004. Os investigadores observaram um declínio mais rápido dos níveis médios de testosterona do que seria de esperar apenas com o envelhecimento.

Travison afirmou:

É provável que algum tipo de exposição ambiental seja o responsável pelo declínio da testosterona, embora uma tentativa de explicar isso com base nos resultados atuais seria “pura conjectura”.

Outros estudos apontam na mesma direção

No verão de 2006, Travison participou de uma reunião Travison Endocrine Society, onde outro pesquisador, Antti Perheentupa MD, Ph.D., da Universidade de Turku, na Finlândia, apresentou provas de um declínio semelhante. Os resultados finlandeses sugeriam que a mudança também estava a acontecer entre os homens mais jovens. Um homem nascido em 1970, tinha cerca de menos 20% de testosterona aos 35 anos do que um homem da geração d0 seu pai com a mesma idade.

Travison afirmou:

Quando vi outro grupo a reproduzir os nossos resultados, fiquei convencido de que estávamos a ver uma verdadeira mudança biológica ao longo do tempo, ao invés de apenas alguns cálculos errados.

De volta a 1962, quando Rachel Carson publicou os seus estudos ambientais clássicos, em que analisou substâncias com propriedades estrogénicas como o inseticida DDT, que estavam a tornar os ovos tão finos que eram esmagados pelos pais no processo de nidificação; as populações de águias e outras aves de grande porte quase desapareceram. E hoje?

O Dr. Harman afirmou:

Eu estou preocupado porque nós estamos a libertar produtos químicos no nosso meio ambiente, que são supressores endócrinos, com efeitos semelhantes aos compostos estrogénicos, possivelmente causando perturbações semelhantes na reprodução humana.

Os autores de um recente artigo no Medical Journal of Australia sugerem que, desde o início da vida fetal, as funções hormonais e reprodutivas masculinas estão sob o “ataque de xenobióticos”, referindo-se a produtos químicos que não são encontrados naturalmente no corpo e que parecem estar a perturbar o desenvolvimento biológico normal.

Por exemplo, 90%dos homens americanos têm níveis detetáveis de clorpirifós na urina. Isso não deveria ser surpreendente, já que mais de 9 milhões de toneladas do material foram distribuídas nos Estados Unidos só em 1999, a maior parte em produtos domésticos, tais como pó para as carraças e pulgas para animais de estimação, tratamentos de relva, e inseticidas comuns.

Embora o uso residencial seja agora restrito, os clorpirifós ainda são de uso comum na agricultura, bem como em algumas aplicações profissionais. Para a maioria das pessoas, a dieta é agora a principal fonte de exposição.

Num estudo recente de Harvard, os homens com a exposição máxima de clorpirifós tinham tipicamente níveis de testosterona 20 por cento inferiores aos dos homens com menor exposição.

O carbaril é outro possível culpado. 75 por cento dos homens americanos têm níveis detetáveis da substância, e a sua presença na urina parece estar associada a uma menor número e vivacidade ou mobilidade dos espermatozoides, bem como a um aumento dos danos no ADN.

E, no entanto, continua-se aplicar carbaril nas relvas e jardins a uma taxa de até 4 milhões de libras por ano, a maioria por meio de um inseticida conhecido como Sevin. Os ftalatos também estão em todo o lado, quase certamente inclusive no seu próprio corpo. Os fabricantes usam-nos em colônias e cosméticos e como amaciantes em plásticos.

Hoje em dia já existem biberões para bebés livres de ftalatos, mas geralmente, os sacos hospitalares intravenosos continuam a conter esta substância. Para além disso, alguns ftalatos parecem ter todas as associações negativas do carbaril na saúde reprodutiva. E não só nos homens: No ano passado, o Greenpeace divulgou um alerta contra o perigo dos ftalatos nos brinquedos sexuais da sua namorada.

Em seguida, a Agência de Proteção do Ambiente da Dinamarca veio em seu socorro, declarando que tais brinquedos são seguros, desde que ela não o use durante mais de 1 hora por dia. Os cientistas ainda não podem afirmar quais são os produtos químicos suspeitos de provocar os  problemas reprodutivos que estão a ocorrer. Eles só podem apontar associações perturbadoras. Mas estas associações parecem estar a proliferar.

O Dr. Harman afirmou:

Cerca de 50 novos produtos químicos entram no mercado, por semana, e embora sejam exigidos carcinogenicidade, não são realizados testes para mudanças endócrinas sutis. É pouco provável que venhamos a ter a ter boas respostas em breve.

Os problemas reprodutivos dos machos humanos continuarão a ser pouco estudados , em parte porque os dólares de pesquisa federais estão a ser desviados para questões como a guerra biológica e terrorismo.

Poderíamos até acabar por desaparecer do planeta em silêncio, porque estávamos demasiado ocupados a travar guerras para descobrir que os nossos sistemas reprodutivos foram pelo cano abaixo.

Para além disso, tal como observou o The Internet Journal of Urology in 2004:

Houve uma série de estudos ao longo dos últimos 15-20 anos … que sugerem que a contagem de espermatozóides no homem estão em declínio. Uma vez que estas alterações são recentes e parecem ter ocorrido a nível internacional, foi presumido que refletem os efeitos adversos dos fatores ambientais ou de estilo de vida sobre o macho, em vez de, por exemplo, devido a alterações genéticas na suscetibilidade.

Se a diminuição da contagem de espermatozóides continuar à taxa atual existente, então  dentro de alguns anos iremos testemunhar uma generalização da infertilidade masculina. Outros estudos publicados no Journal of the American College of Cardiology, o Diabetes Care Journal, o Heart Journale outras grandes publicações médicas, mostram que baixos níveis de testosterona não só conduzem à obesidade, perda de massa muscular, enfraquecimento dos ossos e depressão, como também aumentam as probabilidades de vir a sofrer de doenças cardiovasculares, diabetes, doença de Alzheimer e outros problemas de saúde.

Para além disso, os níveis de testosterona estão correlacionados com a diminuição da autoconfiança, força de vontade, capacidade de concentração, e as habilidades cognitivas.

Conclusão

A maioria dos homens – e especialmente aqueles com mais de 30, os pais, ou homens que foram expostos a produtos químicos tóxicos ou medicamentos potentes – necessitam de manter os seus níveis de testosterona para manterem a sua saúde, força e confiança. Não perca o nosso próximo artigo, onde iremos dar algumas dicas para otimizar os seus níveis de testosterona.

 

Escreva um comentário