Exercício breves e intensos são benéficos para o coração

Exercício breves e intensos são benéficos para o coraçãoSprints rápidos, de alta intensidade e de curta duração – conhecidos por beneficiar a massa muscular e melhorar o desempenho em vários exercícios – podem melhorar a função e a estrutura dos vasos sanguíneos, especialmente das artérias que levam sangue para os músculos e coração, de acordo com nova pesquisa da Universidade McMaster.

O estudo, liderado pelo cinesiologista Mark Rakobowchuk, foi publicado online na revista científica “American Journal of Physiology. Regulatory, Integrative & Comparative Physiology.”

Os resultados suportam a ideia de que as pessoas podem exercitar-se, utilizando formas de exercício de alta intensidade e de curta duração, e obter os mesmos benefícios para a saúde cardiovascular, que podem ser obtidos com o treino tradicional, de longa duração e de intensidade moderada.

Maureen MacDonald, orientador académico e professor adjunto no Departamento de Cinesiologia afirmou:

À medida que envelhecemos, as artérias tornam-se mais rígidas e tendem a perder a sua capacidade de dilatação, e esses efeitos contribuem para o aumento da pressão arterial e doenças cardiovasculares. Mais prejudicial é o efeito que o endurecimento dos vasos sanguíneos tem no coração, que tem de fazer circular o sangue.

A investigação comparou os indivíduos que completaram o treino intervalado executando sprints em que se dá o máximo durante 30 segundos, três dias por semana, a um grupo que completou entre 40 e 60 minutos de bicicleta com intensidade moderada durante cinco dias por semana.

Verificou-se que seis semanas de intensos sprints intervalados melhoram a estrutura e funcionalidade das artérias, tanto quanto o exercício de endurance mais tradicional e com maiores exigências de tempo.

MacDonald afirmou também que:

Cada vez mais, as organizações profissionais estão a passar a recomendar o treino intervalado durante a reabilitação de doenças como doença pulmonar obstrutiva crónica, doença arterial periférica e doença cardiovascular.

A nossa investigação fornece a evidência de que este tipo de treino é certamente tão eficaz quanto o treino tradicional de intensidade moderada. Não ficaria surpreso ao ver mais programas de reabilitação a adoptar este método de treino, uma vez que muitas vezes é melhor tolerado por populações de doentes.

Além disso, esta pesquisa também mostra que aqueles que têm um exercício difícil programar o tempo em sua vida ainda podem se beneficiar dos efeitos positivos, se eles estão dispostos a trabalhar duro por breves períodos de tempo, diz ela.

O estudo foi financiado por uma concessão da “Natural Sciences and Engineering Research Council of Canada (NSERC)” e os alunos de pós-graduação foram financiados pelo “Canadian Insititutes of Health Research” e o “Ontario Graduate Scholarship”.

Fonte: Sciencedaily

 

Escreva um comentário