A curcumina não é anti-catabólica, é anabolizante

A curcumina não é anti-catabólica, é anabolizanteA curcumina é talvez o suplemento mais interessante a ter sido pesquisado por cientistas até hoje.

É verdade que foram realizadas poucas investigações em seres humanos, e a pesquisa francesa que será publicada em breve no “Journal of Nutritional Biochemistry” é um estudo realizado em animais. Mas se este estudo realizado em animais confirmar que a curcumina possui realmente qualidades anabolizantes, não nos iremos queixar.

Os cientistas muitas vezes colocam uma perna de ratos de laboratório em gesso quando pretendem estudar o crescimento e a atrofia muscular. Isso faz com que os músculos se atrofiem, um processo que imita a inactividade corporal para fins de investigação.

Quando o gesso foi removido os músculos começam a recuperar a força. Este processo é uma boa maneira de analisar o efeito de uma carga sobre os músculos e, portanto, os efeitos do treino de força.

Os pesquisadores colocaram os membros posteriores de ratos machos num molde de gesso durante 8 dias [I8].Depois removeram o gesso e monitorizaram a recuperação muscular durante 10 dias [R10]. Metade dos ratos receberam uma injecção diária contendo 1 mg de curcumina por kg de peso corporal, e a outra metade recebeu um placebo.

Durante o período de I8, a curcumina não teve efeito, mas durante o período R10 as injecções potenciaram o crescimento da massa muscular. Os pesquisadores mediram a circunferência dos músculos dos gémeos dos ratos[CSA] fazendo scans. Por isso a curcumina não é tanto um anti-catabólico, mas sim um anabolizante.

Tabela 1

A figura abaixo mostra que a curcumina não teve efeito sobre o complexo uibiquitin-proteassoma, um mecanismo que controla a maquinaria de degradação de proteína muscular. Mas a curcumina inibiu a quimotripsina. A quimotripsina é uma enzima que corta proteínas em pedaços. No entanto, este efeito foi tão fraco, que não inibiu a degradação muscular na fase I8.

Tabela 2 e 3

Tabela 4

Tabela 5

Por isso, o mecanismo de funcionamento da curcumina não é de um comum anti-catabólico. A figura acima mostra o que parece ser o seu método de funcionamento: a curcumina aumenta a produção da proteína anti-suicídio XIAP durante a fase de R10. Em resultado disso, as enzimas suicídio como a caspase-3 tornam-se menos activas.

No seguinte estudo, os investigadores concluíram:

“Durante a recuperação, o tratamento com curcumina aumentou os níveis de proteína muscular XIAP acima dos níveis basais. Verificou-se recentemente que esta proteína anti-apoptótica restringe a via de apoptose no músculo esquelético sob a diferenciação.

Estas observações sugerem que a curcumina pode melhorar a recuperação muscular e os processos de diferenciação/regeneração.”

Referência!

 

Escreva um comentário